Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(2 out) Manifestação em frente ao consulado da Espanha em Perpignan, contra a violência policial durante o referendo na Catalunha

(afp_tickers)

A Catalunha francesa, batizada assim pelos catalães, cria nesta quarta-feira um grupo para "organizar e coordenar a solidariedade" com os vizinhos do Sul, agora que o governo espanhol se prepara para uma intervenção na autonomia catalã.

A primeira reunião do grupo, batizado como Comitê de Solidariedade Catalã, acontecerá nesta quarta-feira na cidade francesa de Perpignan.

"Há uma solidariedade espontânea com os catalães e acontecem muitas iniciativas", disse à AFP Pierre Manzanares, membro da Òmnium Cultural, a principal associação cidadã e cultural da Catalunha, e uma das organizadoras da reunião de quarta-feira.

"É urgente que nos organizemos em solidariedade com o Sul", disse Hervé Pi, coordenador da unidade francesa da ANC (outra associação independentista), "após as agressões, a repressão do Estado espanhol e a falta de reação dos Estados europeus".

- Ajuda financeira -

Entre as iniciativas contempladas estão ajudas financeiras, com a abertura de uma conta bancária para ajudar os que precisam no caso de detenção, afirmou Pi.

Para Manzanares também é necessário "organizar a recepção das pessoas que estariam ameaçadas".

"Não descartamos receber o governo catalão, nem parlamentares independentistas ou funcionários administrativos que poderiam ser destituídos", disse.

Ativistas pró-independência deste departamento afirmaram na segunda-feira que ofereceriam sua "hospitalidade ao presidente (catalão) Carles Puigdemont para um governo catalão no exílio em Perpignan".

"E por quê não imaginar que, em vista de que Madri ameaça colocar os meios públicos sob tutela, que uma parte dos jornalistas atravesse a fronteira e organize (na França) uma agência de notícias?", questionou Manzanares.

- Sentimento de solidariedade ganha força -

Hervé Pi indica, no entanto, que a recepção de pessoas que optariam pelo exílio "não está na ordem do dia".

"Mas, se um dia as pessoas forem obrigadas a fugir, estaríamos preparados", destacou.

Na "Catalunha Norte", a parte francesa dos Pirineus, o sentimento de solidariedade em relação aos independentistas catalães parece ganhar força.

Várias manifestações foram organizadas nesta cidade à medida que os eventos aconteciam nas últimas semanas na Catalunha, nordeste da Espanha. No dia 18 de outubro, quase 500 pessoas protestaram contra a prisão de dois líderes do independentismo, Jordi Cuixart, da Òmnium Cultural, e Jordi Sánchez, da Assembleia Nacional Catalã (ANC).

O departamento de Pirineus Orientais integrou a Catalunha durante muito tempo, mas na segunda metade do século XVII passou a ser governado pela França. Muitos republicanos catalães que fugiram da ditadura franquista se refugiaram na região no fim dos anos 1930.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP