Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A 100ª execução ocorre num momento em que o reino ultraconservador, governado por uma versão rigorosa do Islã, multiplica os anúncios de reformas

(afp_tickers)

Um saudita foi executado nesta segunda-feira (2) em Riad, anunciou a agência oficial SPA, elevando a 100 o número de execuções na Arábia Saudita desde o início do ano.

O homem havia sido condenado à morte pelo assassinato de outro saudita e um tribunal de recurso confirmou o veredicto, explicou a SPA, sem mais detalhes.

Em uma declaração, a Anistia Internacional condenou "o frenesi de execuções do governo da Arábia Saudita", especialmente desde julho, com "uma média de cinco pessoas mortas a cada semana".

A 100ª execução ocorre num momento em que o reino ultraconservador, governado por uma versão rigorosa do Islã, multiplica os anúncios de reformas.

"Se as autoridades sauditas querem sinceramente fazer reformas, devem estabelecer imediatamente uma moratória sobre as execuções, o primeiro passo para a abolição total da pena de morte", disse Lynn Maalouf, diretora de pesquisa da Anistia para o Oriente Médio.

A Arábia Saudita executou um total de 153 pessoas em 2016, de acordo com uma contagem da AFP a partir de anúncios oficiais.

Após a China e o Irã, o reino saudita é um dos países que mais aplica a pena capital, válida em casos de terrorismo, assassinato, estupro, assalto à mão armada e tráfico de drogas.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP