Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Milhares de pessoas foram às ruas de Barcelona para a festa da Catalunha

(afp_tickers)

Centenas de pessoas assistiram, neste domingo (17), em Madri, a uma reunião de apoio ao referendo sobre a independência da Catalunha, marcado para 1º de outubro - informou um jornalista da AFP.

O ato aconteceu em um pequeno teatro do bairro de Lavapiés, no centro da capital, depois que um tribunal proibiu sua realização em um centro cultural da prefeitura.

Desde a convocação para o referendo por parte do governo separatista catalão, em 6 de setembro passado, as instituições espanholas aumentaram as proibições, assim como as ações para impedir sua realização. A consulta foi considerada inconstitucional pela Justiça.

"Frente a sua proibição, nossa determinação", disse o presidente da associação separatista Omnium Cultural, Jordi Cuixart, aplaudido pelo público dentro e fora do teatro.

"Liberdade de expressão! Direito de decidir! Não, não temos medo! Golpe antidemocrático!", gritavam os simpatizantes, do lado de fora, por falta de lugar.

"É pela liberdade de expressão no sentido de que queremos que se defenda aqui, publicamente, o direito de realizar esse referendo", disse antes à rádio Cadena Ser o cientista político de esquerda Jaime Pastor, um dos organizadores.

"Já não é uma questão de catalães e espanhóis. É uma questão de qualidade da democracia", disse à AFP a designer María José Hernández, de 40 anos.

Também neste domingo a Guarda Civil anunciou a apreensão, perto de Barcelona, de 1,3 milhão de panfletos, cédulas de votação e outros itens de campanha, anunciou o Ministério do Interior.

O material foi apreendido durante uma batida em uma empresa de distribuição publicitária de Montcada i Reixac, uma comuna da província de Barcelona.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP