Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Pessoas protestam, em manifestação convocada por centrais sindicais, contra reformas do governo de Michel Temer, em São Paulo, no dia 10 de novembro de 2017

(afp_tickers)

Centenas de pessoas se manifestaram nesta sexta-feira (10) em São Paulo, em um protesto convocado pelas centrais sindicais contra as reformas do governo de Michel Temer.

O protesto se opôs principalmente à flexibilização da legislação trabalhista, que entra em vigor neste sábado, e ao projeto de reforma da Previdência Social. Manifestantes também se declararam contrários à privatização da Eletrobras, a maior empresa de eletricidade da América Latina.

A Central Única dos Trabalhadores (CUT) e a Força Sindical convocaram a manifestação e falaram sobre a possibilidade de convocar um greve geral e uma marcha em Brasília.

"Temos de protestar para impedir a destruição do país, a perda de conquistas sociais e as ameaças contra a democracia", afirmou Telma de Barros, professora de 57 anos, em uma concentração na Praça da Sé, no Centro de São Paulo.

Entre as mudanças, a reforma privilegia acordos coletivos sobre as disposições legais, facilita o trabalho autônomo exclusivo sem vínculo permanente e encerra a contribuição sindical obrigatória.

Para os sindicatos, trata-se de um ataque aos direitos dos trabalhadores.

A reforma previdenciária também foi muito questionada.

"Não problema nenhum com a Previdência, mas eles (o governo) estão inventando razões para mudar a Previdência e prejudicar a nós, os trabalhadores, ao povo que sempre é o que paga", opinou Júlio Telmo, de 45 anos.

Trabalhadores do setor elétrico denunciaram o recente anúncio de privatização da Eletrobras.

"O governo quer vender uma empresa estratégica para o país, depois vamos ver a entrega dos recursos", afirmou Ricardo do Santos, membro do sindicato.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP