Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

CEO do Wells Fargo Timothy Sloan defendeu os esforços do banco para superar o escândalo de contas falsas numa audiência no Senado americano

(afp_tickers)

O CEO do Wells Fargo defendeu, nesta terça-feira (3), os esforços do banco para se retificar após o escândalo de contas falsas, mas enfrentou questionamentos duros de senadores e pelo menos um pedido pela sua saída.

Tim Sloan, que chegou ao cargo mais alto do banco no fim de 2016, após o estouro do escândalo, pediu desculpas pelo desastre - no qual o banco abriu cerca de 3,5 milhões de contas potencialmente falsas, num momento em os executivos disseram a Wall Street que a venda cruzada aumentaria os lucros.

Na sessão, Sloan lembrou os esforços para compensar os consumidores afetados, mudar os incentivos financeiros e melhorar o treinamento de funcionários.

"O Wells Fargo hoje é um banco melhor do que era há um ano, e em um ano vai ser um banco melhor do que é hoje", alegou.

A sessão foi um acompanhamento de uma audiência anterior no mesmo comitê, na qual o ex-CEO John Stumpf enfrentou questionamentos contundentes de senadores de ambos partidos e um sermão particularmente duro da democrata Elizabeth Warren, de Massachusetts, que acusou o CEO de "liderança covarde".

Stumpf renunciou três semanas após a audiência e foi substituído por Sloan, um veterano de 30 anos que era diretor de operações quando o escândalo surgiu.

Warren também foi dura com Sloan, dizendo que ele "deveria ser demitido" por não ter feito mais para investigar e direcionar o problema conforme sinais do escândalo começaram a aparecer.

"No melhor dos casos, você foi incompetente", ela disse. "No pior, foi cúmplice'.

Sloan se defendeu afirmando que o banco tomou medidas "adicionais" no começo, mas não compreendeu a dimensão do problema.

"Eu cometi alguns erros, não fui perfeito", disse. "O motivo para eu ser a pessoa certa é porque eu fiz mudanças por 30 anos".

Apesar de alguns republicanos também expressarem seu choque diante do escândalo, os questionamentos deles eram mais contidos.

Contudo, o senador Sherrod Brown bateu no Wells Fargo por, em muitos casos, forçar consumidores a arbitragens - processos a portas fechadas que podem afastar as condutas ilegais de empresas da exposição à Justiça e que críticos costumam dizer que deixam os consumidores no prejuízo.

Outros democratas atacaram Sloan por terceirizar empregos dos Estados Unidos para as Filipinas e por ele lembrar, constantemente, do tamanho do Wells Fargo. Eles disseram que isso implicaria que o banco seria "grande demais para regulamentar". O banco tem 70 milhões de clientes e emprega 270 mil pessoas.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP