Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A cepa dos casos de vírus Zika detectados em Guiné-Bissau é diferente daquela registrada na América Latina, responsável por complicações neurológicas e graves anomalias no desenvolvimento cerebral do feto

(afp_tickers)

A cepa dos casos de vírus Zika detectados em Guiné-Bissau é diferente daquela registrada na América Latina, responsável por complicações neurológicas e graves anomalias no desenvolvimento cerebral do feto, de acordo com os primeiros resultados publicados pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

"Em Guiné-Bissau, os resultados do sequenciamento genético realizados em quatro casos confirmados de zika mostraram de forma preliminar que os casos são da ascendência africana, e não da ascendência asiática do vírus que provocou uma epidemia no Brasil e na América Latina", explica a OMS em um comunicado.

Cabo Verde continua sendo o único país africano em que a cepa asiática do vírus foi detectada desde o início da epidemia na América Latina em 2015.

"Apesar da cepa africana identificada em Guiné-Bissau não ter sido associada à microcefalia nem a outras complicações neurológicas, uma vigilância maior é necessária", destacou a OMS.

A organização também indicou que está examinando cinco casos de microcefalia em Guiné-Bissau para determinar se tem relação com o vírus da Zika.

Em fevereiro, a OMS decretou que a epidemia do vírus da Zika na América Latina era uma "emergência de saúde pública de alcance internacional". A agência da ONU deve informar nesta sexta-feira se a situação permanece vigente.

Não existe nenhuma vacina ou tratamento contra o vírus da Zika. Transmitido por mosquitos ou por relações sexuais, o vírus afetou 1,5 milhão de pessoas no Brasil.

O vírus da Zika, benigno na maior parte dos casos, pode provocar complicações neurológicas e, sobretudo, graves anomalias no desenvolvimento cerebral (incluindo a microcefalia) dos fetos de mães infectadas.

Um terço da população do planeta - 2,6 bilhões de pessoas - vive em países nos quais o vírus da Zika pode se propagar, de acordo com um estudo publicado pela revista médica britânica The Lancet Infectious Diseases.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP