Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A cepa dos casos de vírus Zika detectados em Guiné-Bissau é diferente daquela registrada na América Latina, responsável por complicações neurológicas e graves anomalias no desenvolvimento cerebral do feto

(afp_tickers)

A cepa dos casos de vírus Zika detectados em Guiné-Bissau é diferente daquela registrada na América Latina, responsável por complicações neurológicas e graves anomalias no desenvolvimento cerebral do feto, de acordo com os primeiros resultados publicados pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

"Em Guiné-Bissau, os resultados do sequenciamento genético realizados em quatro casos confirmados de zika mostraram de forma preliminar que os casos são da ascendência africana, e não da ascendência asiática do vírus que provocou uma epidemia no Brasil e na América Latina", explica a OMS em um comunicado.

Cabo Verde continua sendo o único país africano em que a cepa asiática do vírus foi detectada desde o início da epidemia na América Latina em 2015.

"Apesar da cepa africana identificada em Guiné-Bissau não ter sido associada à microcefalia nem a outras complicações neurológicas, uma vigilância maior é necessária", destacou a OMS.

A organização também indicou que está examinando cinco casos de microcefalia em Guiné-Bissau para determinar se tem relação com o vírus da Zika.

Em fevereiro, a OMS decretou que a epidemia do vírus da Zika na América Latina era uma "emergência de saúde pública de alcance internacional". A agência da ONU deve informar nesta sexta-feira se a situação permanece vigente.

Não existe nenhuma vacina ou tratamento contra o vírus da Zika. Transmitido por mosquitos ou por relações sexuais, o vírus afetou 1,5 milhão de pessoas no Brasil.

O vírus da Zika, benigno na maior parte dos casos, pode provocar complicações neurológicas e, sobretudo, graves anomalias no desenvolvimento cerebral (incluindo a microcefalia) dos fetos de mães infectadas.

Um terço da população do planeta - 2,6 bilhões de pessoas - vive em países nos quais o vírus da Zika pode se propagar, de acordo com um estudo publicado pela revista médica britânica The Lancet Infectious Diseases.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP