Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Foto tirada em 4 de setembro de 2013 mostra criança síria refugiada ao lado do logo do Unicef, em Baalbeck, no Líbano

(afp_tickers)

Quase 1,4 milhão de crianças que sofre de desnutrição severa poderia morrer de fome este ano na Nigéria, Somália, Sudão do Sul e Iêmen, disse nesta segunda-feira o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

No Iêmen, onde a guerra fez estragos durante quase dois anos, 462.000 crianças sofrem de desnutrição aguda, enquanto 450.000 crianças estão severamente desnutridas no nordeste da Nigéria.

Fews Net, o sistema de detecção antecipada da fome, disse que desde o ano passado algumas áreas remotas de Borno, na Nigéria, são afetadas pela fome e o desastre provavelmente continuará enquanto as agências de ajuda forem incapazes de chegar aos que precisam.

A seca na Somália deixou 185.000 crianças em situação à beira da fome, e nos próximos meses espera-se que este número alcance 270.000 crianças, disse o Unicef.

No Sudão do Sul, mais de 270.000 crianças estão desnutridas e a fome foi declarada em partes do estado de Unidade, no norte do país, onde vivem 20.000 crianças.

O diretor do Unicef, Anthony Lake, pediu para acelerarem as ações. "Ainda podemos salvar muitas vidas", disse.

Os embaixadores do Conselho de Segurança da ONU têm previsto viajar no próximo mês para o norte da Nigéria, Camarões, Chade e Níger para chamar a atenção internacional para a crise humanitária provocada pelo conflito com militantes do Boko Haram.

AFP