Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente do Chade Idriss Deby no Palácio do Eliseu, em Paris, no dia 28 de agosto de 2017

(afp_tickers)

Os presidentes de Chade e Níger, Idriss Deby Itno e Mahamadu Isufú insistiram, nesta segunda-feira, na importância de se investir em desenvolvimento para combater a crise migratória. Eles esperam que haja mais financiamento dos parceiros europeus para solucionar a questão.

"O problema fundamental será sempre o desenvolvimento, recursos são necessários", reforçou Deby, após uma reunião sobre a crise migratória em Paris que reuniu os dirigentes de Chade, Níger, Líbia, França, Itália, Alemanha e Espanha, assim como da União Europeia.

"Estamos acostumados com os anúncios dos nossos sócios há anos. Queremos coisas concretas", insistiu Deby, destacando a necessidade de soluções a longo prazo.

"Não podem apenas reprimir, uma dimensão de desenvolvimento é necessária. Queremos coisas concretas", insistiu Isufú, cujo país deu início em 2015 a um plano para reduzir a imigração, combatendo especialmente o tráfico humano. "É insuportável que milhares de africanos morram no deserto ou no Mediterrâneo", completou.

"O problema é a pobreza", afirmou a chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini. Mas "não é preciso inventar um novo plano Marshall", opinou, lembrando que a UE investe, anualmente, 20 bilhões de euros na África.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP