Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Foto cedida pelo Ministério das Relações Exteriores argentino mostra o chanceler da Turquia, Mevlüt Çavuşoğlu (E), e sua contraparte argentina, Susana Malcorra, em Buenos Aires, no dia 30 de janeiro de 2017

(afp_tickers)

O chanceler da Turquia, Mevlüt Çavuşoğlu, se reuniu nesta segunda-feira com sua colega argentina, Susana Malcorra, no início de uma viagem que inclui Paraguai, República Dominicana e México, e que reflete uma tentativa de aproximação com a América Latina.

"Ao início de minha viagem pelos países amigos da América Latina e Caribe é um prazer mencionar que nosso diálogo e cooperação política, econômica e cultural se fortalecem cada dia mais", escreveu o chanceler turco em uma coluna publicada nesta segunda-feira no jornal Clarín.

Çavuşoğlu iniciou nesta segunda-feira sua visita oficial, a primeira em 20 anos de um chanceler turco, com flores antes de se reunir com a chanceler argentina no Palácio San Martín, sede do ministério de Relações Exteriores.

Durante sua estadia, Argentina e Turquia assinarão acordos de cooperação e será recebido pela vice-presidente Gabriela Michetti, informou a Chancelaria.

Çavuşoğlu destacou que "a Argentina e a região da América Latina e do Caribe são parceiros importantes na tentativa de construir uma ordem mais estável, próspera, justa e humana".

A visita do chanceler foi repudiada pela comunidade armênia da Argentina, a maior da América Latina e a terceira do mundo, com 150.000 pessoas.

Segundo essa comunidade, Çavuşoğlu é "o braço executor da política negacionista historicamente adotada pela Turquia" e o acusou de dedicar-se "a intimidar qualquer um que reconheça ou apenas nomeie o Genocídio Armênio" perpetrado no começo do século XX.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP