Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) A chanceler venezuelana, Delcy Rodríguez

(afp_tickers)

A chanceler venezuelana, Delcy Rodríguez, chamou nesta segunda-feira de "cachorro simpático" o presidente do Peru, Pedro Pablo Kuczynski, por seus comentários sobre a América Latina que a Venezuela considerou ofensivos.

"Se atreveu a agredir a identidade latino-americana e digo aqui que o único cachorro simpático que há é ele", declarou Rodríguez em um seminário realizado em Caracas.

O presidente peruano afirmou no dia 25 de fevereiro, na Universidade de Princeton (Nova Jersey), que os Estados Unidos "não investem muito tempo na América Latina, pois (a região) é como um cachorro simpático que está dormindo no tapete; mas no caso da Venezuela há um grande problema".

Na sexta-feira passada, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, pediu a Kuczynski que se retratasse por estas "declarações ofensivas para a identidade e o sentimento latino-americano e caribenho".

Rodríguez disse que além de Kuczynski há "um outro cachorro que já passou a ser do Império (EUA) e está na OEA", em referência ao secretário-geral da Organização dos Estados Americanos, Luis Almagro.

"São os únicos que, simpaticamente, balançam o rabo para seus donos imperialistas".

Almagro promove a aplicação da carta democrática interamericana na Venezuela, mecanismo que faculta à OEA intervir em caso de grave alteração constitucional e, em última instância, suspender o país envolvido.

O chanceler do Peru, Ricardo Luna, informou que seu país enviará uma nota de protesto a Caracas.

"Lamento e rejeito as declarações da chanceler da Venezuela, que são insolentes e inaceitáveis, e vamos dizer isto ao governo da Venezuela com uma nota de protesto formal", declarou Luna.

Segundo o chanceler, Kuczynski utilizou apenas uma "expressão metafórica" que pode ter sido entendida como uma ofensa.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP