Navigation

Chanceler venezuelano compara a situação da Venezuela com a da Síria

Foto da agência oficial Sana que mostra o presidente sírio Bashar al Assad recebendo ao ministro de Relações Exteriores venezuelano Jorge Arreaza em 4 de abril de 2019 em Damasco afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 04. abril 2019 - 18:09
(AFP)

O ministro venezuelano das Relações Exteriores, Jorge Arreaza, disse em Damasco nesta quinta-feira que existem semelhanças entre o que acontece em seu país e o início da guerra síria, mas que querem evitar um conflito semelhante ao que rasga o país árabe desde 2011.

Arreaza, que foi recebido pelo presidente sírio, Bashar al-Assad, acusou os Estados Unidos de quererem provocar uma guerra civil, assegurando que seu governo contará com diplomacia e diálogo para evitar que isso aconteça.

"Quando o presidente Al Assad descreveu os passos anteriores e os passos dos primeiros dias da guerra contra a Síria, pudemos identificar imediatamente semelhanças com o que vivemos na Venezuela", disse o ministro das Relações Exteriores durante uma entrevista coletiva com seu colega sírio Walid al Mualem, noticiada pela agência síria Sana.

"É o mesmo inimigo, com os mesmos interesses", acrescentou, referindo-se aos Estados Unidos.

"Dissemos ao presidente Al Assad que a experiência da Síria serve para nós, nos dá lições e também ideias para ganhar essa guerra", disse.

"Há semelhanças e diferenças entre ambos os processos, mas, em nosso caso, com nossos amigos no mundo, temos que evitar a guerra", afirmou Arreaza, descartando um confronto militar.

Segundo a agência oficial síria Sana, o presidente sírio disse durante seu encontro com Arreaza que "o que aconteceu na Venezuela é parecido com o que aconteceu com a Síria, onde o objetivo era exercer uma tutela sobre os países, tirando-lhes suas decisões independentes".

O líder opositor Juan Guaidó criticou nesta quinta-feira uma reunião do chanceler da Venezuela com o presidente sírio, Bashar al Assad, indicando que pretende dissuadir a comunidade internacional de apoiar seus esforços para tirar do poder o mandatário Nicolás Maduro.

"Sabemos qual é a resposta do regime, sabemos por que se reúne com o Bashar al Assad, com o Hezbollah. Querem subir uma aposta que não podem pagar", disse Guaidó, reconhecido como presidente interino da Venezuela por mais de 50 países liderados pelos Estados Unidos.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.