Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, em Caracas, no dia 1º de setembro de 2016

(afp_tickers)

O chavismo convocou nesta segunda-feira seus partidários para um protesto em "todos os estados" da Venezuela na quarta-feira, em resposta às manifestações organizadas pela oposição para o mesmo dia visando o referendo revogatório do mandato do presidente Nicolás Maduro.

"Na quarta-feira (estaremos) em todos os Estados do país em uma grande mobilização pela paz", disse Elías Jaua, dirigente do partido do governo, que voltou a acusar a oposição de promover distúrbios nas ruas para propiciar um golpe contra Maduro.

O Partido Socialista Unido da Venezuela (Psuv) "decidiu incrementar e expandir sua mobilização em favor da paz", expressou Jaua em entrevista coletiva.

O dirigente acrescentou que a "mobilização popular é o melhor antídoto contra a violência, contra os golpes de estado".

A oposição convocou protestos nesta quarta-feira em todo o interior da Venezuela para exigir do poder eleitoral que estabeleça uma data e as condições para o recolhimento das quatro milhões de assinaturas necessárias para a convocação do referendo.

"Acabamos de fazer uma demonstração de força muito importante em Caracas (...). Agora decidimos dar destaque a um esforço no interior", disse mais cedo em entrevista coletiva o secretário-executivo da aliança opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD).

Na quinta-feira passada, o oposição reuniu mais de um milhão de pessoas em Caracas, segundo os organizadores do protesto, mas o governo afirma que a mobilização teve apenas 30 mil.

A oposição convocou outra manifestação para o dia 14 de setembro, sempre com o objetivo de pressionar o poder eleitoral a decidir sobre o referendo.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP