Navigation

Chefe da OEA diz que não há 'fórmula mágica' para sair da 'ditadura' na Venezuela

O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, o uruguaio Luis Almagro, fala à imprensa na 49ª Assembleia Geral da OEA em Medellín, Colômbia, em 26 de junho de 2019 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 27. junho 2019 - 01:42
(AFP)

O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, garantiu nesta quarta-feira que não há uma "fórmula mágica" para sair da "ditadura" na Venezuela, acrescentando que só resta aumentar a pressão sobre Nicolás Maduro.

Pouco antes de abrir a Assembleia Geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), que se reunirá até sexta-feira na cidade de Medellín, Almagro denunciou a "ação deliberada, repressiva e opressora" do governo de Chávez contra os venezuelanos, mergulhados numa grave crise econômica e social.

Mesmo assim, "para acabar com as ditaduras do século 21 não há fórmula mágica, não há bala de prata", disse o líder da entidade à imprensa.

Segundo Almagro, aos governos que são contrários a Maduro corresponde, consequentemente, seguir "gerando pressão sobre a ditadura" em busca de seu "isolamento".

"Devemos continuar trabalhando em um processo para incrementar a pressão, e essa reunião faz parte desse processo", enfatizou.

Segundo Almagro, a OEA já votou resoluções que condenam Maduro, que retirou o país da organização, e reconhece Juan Guaidó como presidente interino.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.