Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente colombiano, Juan Manuel Santos, chega a uma parada militar para celebrar 25° aniversário de independência do país, em Bogotá, no dia 20 de juho de 2015

(afp_tickers)

O chefe máximo das Farc, Timoleón Jiménez ("Timochenko"), disse em uma carta divulgada neste domingo que o governo da Colômbia está descumprindo a suspensão dos bombardeios contra acampamentos da guerrilha, conforme havia ordenado o presidente Juan Manuel Santos nas negociações de paz.

"Depois da suspensão ordenada pelo presidente Santos, nos bombardearam em 27 de julho (...), no município de Puerto Guzmán, no Putumayo (sul), e no dia 4 de agosto (...) no município de San Miguel, também no Putumayo", afirma "Timochenko" na mensagem divulgada no site das Farc e datada de 11 de agosto.

O líder guerrilheiro menciona também uma série de provocações por terra contra as unidades das Farc em distintas regiões do país.

As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e o governo de Santos participam de diálogos de paz e, Cuba desde novembro de 2012, sem que tenha sido decretado um cessar-fogo bilateral no terreno.

AFP