Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Foto cedida em 27 de outubro de 2017 pelo gabinete do líder sênior do Hamas em Gaza, Ismail Haniya (E), mostra visita a Tawfiq Abu Naim (C), diretor geral das forças de segurança internas, em hospital em Gaza

(afp_tickers)

O chefe das forças de segurança do Hamas na Faixa de Gaza foi ferido nesta sexta-feira em um atentado com bomba, em um momento em que os grupos palestinos estão imersos em uma delicada reconciliação que ainda deve resolver o delicado tema da segurança.

"Tawfiq Abu Naim, diretor-geral das forças de seguranças internas, sobreviveu a uma tentativa de assassinato fracassada e à explosão de seu carro no campo de refugiados de Nuseirat", indicou Iyad Al Bozum, porta-voz do Hamas, em um comunicado.

O dirigente padece de ferimentos leves, acrescentou.

O gabinete do chefe do Hamas, Ismael Haniyeh, divulgou uma foto do dirigente visitando o ferido, que sorria em sua cama do hospital de Shifa, em Gaza.

Não há informações sobre os responsáveis pelo atentado.

"Os serviços de segurança inciaram imediatamente uma investigação para averiguar as circunstâncias e capturar aos autores", afirmou Bozum.

Outro porta-voz, Fawzi Barhum, viu no ataque "um ato covarde cometido pelos inimigos do povo paletino" para socavar os esforços de reconciliação entre o Hamas e o Fatah, do presidente da Autoridade Palestina, Mahmud Abbas.

Em virtude de um acordo fechado em 12 de outubro no Cairo, depois de dez anos de divisões, o Hamas, que governa sozinho a Faixa de Gaza desde 2007, transferirá antes de 1o. de dezembro todos os poderes à Autoridade Palestina, uma entidade reconhecida em nível internacional e que poderá, eventualmente prefigurar um Estado palestino independente.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP