Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O almirante Kurt Tidd, chefe do Comando Sul dos Estados Unidos, em Washington DC, em 13 de julho de 2016

(afp_tickers)

A diplomacia é a melhor solução para a crise na Venezuela, cuja situação se tornou um problema regional - indicou o chefe do Comando Sul dos Estados Unidos, almirante Kurt Tidd, advertindo sobre a influência da Rússia na região e sobre a ameaça extremista.

"A melhor solução para os problemas na Venezuela é a que todos os países reconheceram, que é a opção diplomática, uma solução regional para um problema regional", disse o chefe militar em entrevista nesta sexta-feira ao jornal "El Comercio" de Lima.

O almirante Kurt Tidd ressaltou a posição do Peru de promover um grupo de 12 países da região - Brasil, Chile e Argentina entre eles - para exigir da Venezuela o respeito à democracia. O resultado foi a Declaração de Lima, divulgada em 8 de agosto.

"As pessoas na Venezuela estão sofrendo uma catástrofe humanitária", enfatizou o chefe militar, referindo-se à escassez de produtos básicos e de remédios, assim como ao êxodo em massa de venezuelanos.

"Nossa esperança compartilhada é que isso vá para um futuro melhor, que se respeite completamente a democracia na Venezuela. Isso vai ser o melhor para nós", afirmou o responsável pelo Comando Sul, com sede em Miami.

Tidd deu essas declarações em meio a tensão criada na região pelo presidente Donald Trump. Há duas semanas, ele afirmou que os Estados Unidos não descartam uma opção militar frente à crise na Venezuela.

Nos dias 23 e 24 de agosto, o chefe do Comando Sul dos Estados Unidos liderou a VII Conferência de Defesa da América do Sul (Southdec), realizada em Lima. Participaram do evento os chefes de Brasil, Argentina, Chile, Colômbia, Estados Unidos, Paraguai, Peru e Uruguai.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP