Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Membro do Exército Nacional Líbio, leal ao marechal Khalifa Haftar, em Akhraybish, em 19 de julho de 2017

(afp_tickers)

Os líderes de duas facções rivais na Líbia preveem se encontrar na terça-feira em Paris para negociar uma saída para a crise no país, segundo informações da imprensa francesa.

O marechal Khalifa Haftar, que controla o leste do rico país petroleiro, e o primeiro-ministro do governo apoiado pela ONU, Fayez el-Sarraj, conversarão sob a mediação do presidente francês, Emmanuel Macron, segundo o jornal dominical JDD.

O jornal afirma que Ghassam Salame, novo enviado da ONU para a Líbia, confirmou a reunião. Salame, entretanto, não quis comentar o assunto quando foi contactado pela AFP.

O gabinete do presidente Macron nem confirmou nem negou a eventual reunião na capital francesa.

Este seria o segundo encontro entre Sarraj e Haftar em três meses, após a conversa em Abu Dhabi em maio.

Neste mês, Sarraj planejou uma nova agenda para o país, que inclui a realização de eleições presidenciais e parlamentares em março de 2018.

A rivalidade política e os combates entre as milícias rivais impediu a Líbia se recuperasse do caos vivido no país desde a rebelião de 2011, que derrubou o ditador Muammar Kadhafi, que foi assassinado.

O Governo de Unidade Nacional de Sarraj teve dificuldade para impor sua autoridade desde que começou seu trabalho em Trípoli, em março de 2016. A administração rival de Haftar, com sede no leste do país, não reconhece o governo de Sarraj.

Os serviços de Inteligência ocidentais temem que os extremistas do Estado Islâmico (EI) se aproveitem do caos para criar redutos na Líbia, à medida que estão sendo expulsos do Iraque e da Síria.

A Líbia também se tornou o ponto de partida de milhares de migrantes africanos que querem chegar à União Europeia (UE), viajando pelo mar até a Itália em barcos precários.

O ministro das Relações Exteriores francês, Jean-Yves Le Drian, disse ao jornal Le Monde em junho que a Líbia é a "prioridade" para o presidente Macron.

AFP