Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Índigenas procedentes da Venezuela se instalam em Manaus, em 9 de maio de 2017

(afp_tickers)

Ao menos 250 indígenas venezuelanos warao chegaram a Manaus, onde já estão mais de 300 membros da etnia que foge da crise política e econômica em seu país, informou nesta terça-feira a Pastoral do Migrante.

Segundo relatos dos waraos, seus familiares estão abandonando as comunidades indígenas na Venezuela para se refugiar em Manaus, revelou a Pastoral, que denuncia as más condições de acolhida.

"Estão sendo explorados, vivem em condições insalubres, alguns estão pagando entre 10 e 30 reais por dia para alugar quartos sem condições de habitação, tudo porque não têm apoio ou conexões aqui", disse Paula Lorenzo, da Arquidiocese de Manaus.

A prefeitura de Manaus decretou emergência social no dia 4 de maio diante da chegada dos indígenas desta etnia do Delta do Orinoco, no nordeste da Venezuela, a quase 1.800 km de distância.

"Fogem da crise econômica na Venezuela (...), chegam, vendem artesanato, pedem dinheiro nas ruas, compram alimentos e os levam para suas famílias na Venezuela", comentou o secretário municipal de assistência social, Elias Emanuel, em contato com a AFP.

Atualmente há 355 waraos em Manaus, precisou o prefeito da cidade, Arthur Virgilio Neto, que pediu ajuda do governo federal. "Não estamos preparados para isto".

A prioridade da prefeitura é conseguir abrigo para os indígenas que vivem em barracas improvisadas à beira da estrada.

O prefeito informou que está em andamento uma operação de vacinação e assistência médica.

Arthur Virgilio Neto e Elias Emanuel afirmam que as autoridades venezuelanas não assumem qualquer responsabilidade diante da situação. "O consulado participa de reuniões, mas como espectador e não como protagonista (...). Não se responsabiliza por seus cidadãos", afirmou Emanuel.

Os waraos, com uma população de 48.771 segundo o censo venezuelano de 2011, começaram a ser notados no Brasil em 2014, especialmente em Boa Vista. Nos últimos cinco anos, a Polícia Federal já deportou 532 indígenas, segundo o site Amazônia Real.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP