Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Imigrantes em Palermo, ilha italiana da Sicília, no dia 13 de outubro de 2017

(afp_tickers)

A chegada de imigrantes ilegais na Itália, a maioria procedente da Líbia, diminuiu em mais de 70% de julho a outubro, em comparação com o mesmo período de 2016, informou a Organização Internacional para as Migrações (OIM).

Segundo o mais recente relatório da entidade, cerca de 150.000 imigrantes chegaram à Europa pelo Mar Mediterrâneo entre janeiro e outubro deste ano e 2.826 morreram ou desapareceram no mar.

As chegadas à Espanha, ao contrário, triplicaram, com mais de 14.000 este ano contra 5.445 no mesmo período de 2016.

A diminuição na Itália foi no total de 30% durante os primeiros dez meses do ano: 111.000 contra os quase 160.000 no ano passado.

Até o final de junho, o número de chegadas tinha aumentado em quase 20%, mas a tendência se reverteu radicalmente desde meados de julho, devido ao acordo controverso entre Itália e as autoridades, as tribos e aparentemente as milícias da Líbia.

O acordo, promovido pelo ministro do Interior, Marco Minniti, e apoiado por quase todo o Parlamento, foi criticado por várias organizações humanitárias, entre elas a Emergency, que acusa a Itália de financiar a criação na Líbia de campos de detenção arbitrária de estrangeiros, onde migrantes africanos são vítimas de torturas e abusos.

Em meados de outubro, a Agência das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) anunciou a descoberta de mais de 14.000 migrantes detidos por traficantes em Sabratha e seus arredores, no oeste da Líbia.

Trancados em fazendas e galpões, descreveram "os sofrimentos e os abusos" aos quais têm sido submetidos, denunciou a Acnur.

A pouca atividade no Mediterrâneo e a presença da guarda costeira líbia no resgate de migrantes ainda em águas internacionais, forçaram várias ONGs a suspender suas operações.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP