AFP

Chelsea Manning prestes a ganhar liberdade

(afp_tickers)

Chelsea Manning, a militar transexual americana presa por ter fornecido ao Wikileaks milhares de documentos secretos, disse na terça-feira que pode enfim projetar seu futuro, com a proximidade da sua libertação, no próximo 17 de maio.

"Pela primeira vez, vejo um futuro como Chelsea. Me imagino sobrevivendo e vivendo na pele da pessoa que sou e que poderei ser no mundo exterior", declarou a soldado, segundo um comunicado da sua equipe de advogados.

A ex-informante do Wikileaks, nascida Bradley Manning, foi condenada em agosto de 2013 a 35 anos de prisão pelo vazamento de 700.000 documentos confidenciais, mas o ex-presidente americano Barack Obama comutou sua sentença dias antes de deixar a Casa Branca.

"A liberdade é algo que conhecerei de novo com meus amigos e entes queridos, depois de quase sete anos de reclusão em solidão, com minha autonomia e meus cuidados impedidos, incluindo cortes cabelo impostos regularmente", acrescentou Manning.

No ano passado, Manning tentou se suicidar duas vezes e fez uma greve de fome na prisão militar de Fort Leavenworth (Kansas, centro), desesperada, segundo seu familiares, pelos procedimentos disciplinares aos que foi submetida.

AFP

 AFP