Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O poeta chileno Pablo Neruda, em 1971

(afp_tickers)

Com a esperança de elucidar as causas da morte de Pablo Neruda, um comitê de peritos entregará nesta sexta-feira (20) um relatório sobre a análise de evidências que buscam determinar se o poeta foi vítima da ditadura chilena.

O prêmio Nobel de Literatura morreu em uma clínica da capital chilena em 23 de setembro de 1973, 12 dias depois do golpe de estado de Augusto Pinochet.

Segundo a versão oficial, o escritor e político comunista morreu devido ao agravamento do câncer de próstata que sofria quando tudo estava pronto para facilitar sua saída ao exílio no México.

"Os especialistas estão trabalhando arduamente e achamos que vai ser um bom relatório que vai ter coisas inéditas", disse à AFP Rodolfo Reyes, advogado e sobrinho de um dos poetas mais populares do mundo.

O simpósio com especialistas do Canadá, Dinamarca, Estados Unidos, Espanha e Chile busca confirmar ou excluir a hipótese de que existiu uma intoxicação voluntária e deliberada para matar o autor mediante a administração de germes ou toxinas bacterianas, explicaram os peritos na segunda-feira na abertura do painel.

"Sem dúvida vamos ter mais clareza sobre a sua morte, vai mudar a história em relação à morte de Neruda", afirmou Reyes.

- Deterioração de provas -

Apesar das dúvidas geradas por sua morte repentina, foi necessário esperar quatro décadas para que a versão do assassinato ganhasse força. Isso aconteceu em 2011, com a publicação de declarações do motorista e assistente pessoal de Neruda, Manuel Araya, que afirmou que o poeta piorou depois que lhe aplicaram uma injeção no abdome.

O juiz do caso, Mario Carroza, que nesta sexta-feira receberá o relatório dos peritos e será o encarregado de avaliar os passos a serem seguidos na investigação, ordenou em abril de 2013 uma nova exumação do corpo do escritor, para elucidar se a mão mortal do regime de Pinochet, que provocou mais de 3.200 mortes, eliminou também a vida do escritor.

O desafio dos cientistas é utilizar os avanços da ciência para encontrar respostas, mas com a passagem do tempo a tarefa pode se transformar em uma missão impossível.

"É preciso ser muito prudentes e pensar que estamos analisando amostras degradadas com uma antiguidade significativa, e que isso sempre vai significar uma limitação às possíveis conclusões obtidas", advertiu à AFP Aurelio Luna Maldonado, especialista da Universidade de Murcia, durante a abertura do painel.

O especialista considera que há entre 20% e 25% de chance de resolver o mistério e poder afirmar, com base científica, se o prêmio Nobel de Literatura de 1971 foi assassinado.

- Sem certezas -

As primeiras perícias, em novembro de 2013, concluíram que, devido à passagem dos anos, não era possível estabelecer a presença de algum veneno. Mas o juiz prosseguiu com o caso e ampliou as perícias, que após uma nova exumação encontraram um estafilococo dourado (Staphylococcus aureus) nos restos, uma bactéria altamente infecciosa e letal.

Esta descoberta continua sendo central na investigação, mas ainda não há provas contundentes de que a bactéria tenha sido a causa da morte do escritor.

Outras declarações alimentaram a versão do assassinato. Pessoas próximas ao poeta afirmaram que o opositor chileno estava bem antes de receber a suposta injeção no hospital em Santiago, aonde foi trasladado a partir do seu refúgio em Isla Negra, em frente à costa do Oceano Pacífico.

Outro detalhe é que a clínica Santa María, onde Neruda faleceu, carrega outra morte duvidosa, a do ex-presidente Eduardo Frei Montalva, que teria sido envenenado por agentes da ditadura em 1982.

Neruda, que ocupou um assento no Congresso chileno, era uma das máximas referências do Partido Comunista no Chile, e se esperava que ele seria, a partir do seu exílio no México, um articulador importante da resistência à ditadura (1973-1990).

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP