Navigation

Chile fecha fronteiras por forte aumento de casos de coronavírus

Passageiros com máscaras de proteção em aeroporto afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 16. março 2020 - 13:50
(AFP)

O Chile anunciou o fechamento de todas as fronteiras depois de dobrar o número de pessoas infectadas com coronavírus no país nas últimas 24 horas, de 75 para 155, informou o presidente Sebastián Piñera nesta segunda-feira.

"Decidimos fechar todas as fronteiras terrestres, marítimas e áreas de nosso país para o trânsito de estrangeiros. Isso não afetará a entrada e saída de cargas", disse o presidente, anunciando a medida que começará a vigorar a partir desta quarta-feira.

Piñera confirmou que o Chile entrou na Fase 4. "Este é o estágio mais complexo, no qual ocorre a circulação viral e a dispersão comunitária desta doença", destacou.

O presidente acrescentou que os chilenos e residentes permanentes no país que vêm de lugares de alto risco poderão entrar no país submetendo-se a uma quarentena obrigatória de 14 dias.

As Forças Armadas colaborarão com o controle das fronteiras "para garantir que o fechamento que determinamos seja totalmente respeitado", acrescentou o presidente.

Da mesma forma, Piñera anunciou a redução de 200 para 50 o número de pessoas que podem se reunir para "cerimônias, eventos ou atos públicos estritamente necessários".

Esta segunda-feira é o primeiro dia sem aulas, com menos pessoas nas ruas e muito poucas no metrô de Santiago.

O ministro da Saúde, Jaime Mañalich, admitiu que as autoridades estão preocupadas com os quase 500 habitantes de Caleta Tortel, uma vila de pescadores cerca de 2.400 km ao sul de Santiago, onde um turista britânico interagiu com várias pessoas antes de ser diagnosticado com Covid-19.

Caleta Tortel é a única cidade em quarentena por 14 dias a partir de sábado. "Até o momento não há relatos de contágio, mas estamos acompanhando de perto", afirmou o ministro.

Desde sábado, o governo proibiu os cruzeiros no Chile e colocaram em quarentena dois navios, o Silver Explorer e o Azamara, de propriedade da companhia norueguesa-americana Royal Caribbean Cruises Ltd., com cerca de 1.300 pessoas.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.