Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Chile, é visto em 12 de março de 2013

(afp_tickers)

O Chile concentrará 70% da infra-estrutura astronômica global em 2020, com um investimento de cerca de 6 bilhões de dólares - garantiu a presidente Michelle Bachelet nesta terça-feira, após o início da construção de um telescópio.

"Ao longo do tempo foram sendo adicionados outros projetos, mais modernos, que têm dado a liderança ao Chile. Estima-se que até 2020 nosso país vá concentrar 70% da infra-estrutura astronômica do mundo", afirmou a presidente.

"Nesta terra serão instalados os telescópios mais poderosos já montados, com um investimento de 6 bilhões de dólares", disse ela, após inaugurar obras do novo telescópio Large Telescope Synoptic Survey (LSST).

O projeto será instalado nas proximidades do Cerro Pachon, na região de Coquimbo, cerca de 500 km ao norte de Santiago, e será integrado à rede do Observatório AURA, que começou a operar no Chile em 1961, com a instalação do observatório Cerro Tololo.

O novo telescópio tem 8 metros de diâmetro, câmera digital capaz de tirar fotos de 3 bilhões de pixels, capacidade semanal para explorar o céu, identificar supernovas, asteroides próximos à Terra e mapear o cosmos em 3D.

Pelo menos cinco observatórios foram instalados no norte do Chile, uma área privilegiada para a atividade astronômica pela baixa umidade e céu claro.

Localizado no norte do Chile, o ALMA é o maior radiotelescópio do mundo, com 66 antenas e controlado por uma parceria internacional da Europa, América do Norte e Leste Asiático, em cooperação com o Chile.

AFP