A China criticou nesta terça-feira as acusações "infundadas" dos Estados Unidos contra a companhia chinesa de telecomunicações Huawei, e as "ameaças" do secretário de Estado Mike Pompeo durante uma viagem à Hungria.

A Huawei é a segunda maior fabricante mundial de smartphones e líder em equipamentos para redes de telecomunicações.

Washington acusa a empresa de espiar para o governo chinês e está tentando convencer o maior número de países, sobretudo ocidentais, para que não utilizem seus equipamentos.

"Há algum tempo, os Estados Unidos não fazem nenhum esforço e inventam sem escrúpulos todo tipo de acusações sem fundamentos", afirmou Hua Chunying, porta-voz do Ministério de Relações Exteriores de Pequim.

"E agora a ponto de ameaçar abertamente e querer provocar dissensos nas relações entre a China e outros países", disse ele em entrevista coletiva.

Pompeo disse nesta segunda-feira na Hungria sobre o acordo entre o governo húngaro e a Huawei para desenvolver a rede de telefonia 5G nos países do Leste Europeu.

"Se um equipamento é implantado onde temos sistemas americanos importantes, para nós é mais difícil colaborar" com esses países, disse ele em referência à empresa chinesa.

Na semana passada, altos funcionários dos EUA visitaram vários países europeus para convencer os governos a desistirem do uso do equipamento 5G da Huawei.

Palavras-chave

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.