Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Os reguladores bancários de Pequim e Xangai ordenaram o fechamento de várias plataformas de câmbio de bitcoins

(afp_tickers)

Os reguladores bancários de Pequim e Xangai ordenaram o fechamento de várias plataformas de câmbio de bitcoins, anunciou nesta terça-feira um veículo oficial, numa nova ofensiva do governo chinês contra as moedas virtuais.

A sede do Banco Central Chinês (PBOC) em Pequim pediu que as plataformas de câmbio na capital apresentem até 20 de setembro "planos detalhados para sair do mercado" de moedas eletrônicas, indica a agência oficial Xinhua.

Os reguladores de Xangai adotaram medidas semelhantes em nome da "luta contra os riscos financeiros", segundo a mesma fonte.

Nas últimas semanas, várias plataformas de câmbio anunciaram sua intenção de encerrar suas atividades.

Pequim quer frear as criptomonedas, que são criadas virtualmente através da tecnologia chamada "blockchain" e são trocadas sem controle das autoridades.

No início de setembro, o PBOC proibiu novas emissões de criptomoneda por uma empresa que queria aumentar o capital. Também pediu às plataformas para parar de converter moedas virtuais em reais.

E na quarta-feira passada, a Associação Nacional de Finanças da Internet (NIFA), uma emanação do banco central, disse que as plataformas de câmbio "não têm base legal", acusando-as de ser um instrumento para "atividades criminosas", como "tráfico de drogas ou lavagem de dinheiro".

Após esse anúncio, três grandes plataformas chinesas de bitcoins, BTC China, Huobi e OKCoin, anunciaram seu encerramento.

Pouco antes do encerramento, a criptomoeda perdeu mais de 20% na BTC China, com volumes de negócios abaixo dos mínimos.

Em dólares, os bitcoins também perderam quase 30% de seu valor na primeira metade de setembro.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP