Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O chanceler chinês, Wang, apoia ONU em novas sanções contra Coreia do Norte, mas defende diálogo e negociação

(afp_tickers)

O Conselho de Segurança da ONU "deve reagir" e "adotar as medidas necessárias" contra a Coreia do Norte - afirmou o ministro chinês das Relações Exteriores, Wang Yi, lembrando que "as sanções e as pressões" são apenas "metade" da solução.

Depois do novo teste nuclear de Pyongyang, "a China está de acordo em que o Conselho de Segurança da ONU deve reagir, adotando as medidas necessárias", declarou Wang aos jornalistas.

Segundo ele, "as sanções e as pressões" sobre o regime de Kim Jong-un representam "metade da solução", que se completa com "diálogo e negociação".

"Apenas se desencadearmos essas duas medidas ao mesmo tempo poderemos desbloquear a questão nuclear na península (...) Nenhuma das duas deve ser ignorada", insistiu Wang.

Na quarta-feira, o presidente chinês, Xi Jinping, recordou seu colega americano, Donald Trump, da vontade de Pequim de resolver a questão norte-coreana mediante negociações para uma "solução pacífica", relatou a imprensa oficial.

A China condenou duramente o teste norte-coreano de uma bomba de hidrogênio no último domingo.

Os Estados Unidos, seus aliados europeus e o Japão estão negociando novas sanções da ONU contra a Coreia do Norte, mas a posição de Rússia e China continua incerta. Ambos têm poder de veto no Conselho de Segurança da organização.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP