Navigation

China procura vítimas do terremoto que deixou 381 mortos

Equipes de resgate retiram sobrevivente do terremoto no sudoeste da China que deixou 381 mortos afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 04. agosto 2014 - 09:52
(AFP)

As equipes de emergência procuravam nesta segunda-feira vítimas do terremoto que sacudiu o sudoeste da China no domingo, na província de Yunnan, e que provocou 381 mortes.

O balanço mais recente do ministério de Assuntos Civis cita 381 mortos, mais de 1.800 feridos, 12.000 casas destruídas e outras 30.000 danificadas.

No condado de Ludian, a área mais afetadas, sobreviventes retidos pela chuva permanecem sentados em estradas repletas de lama, à espera de alimentos e remédios, segundo a agência estatal Xinhua.

O tremor, de 6,5 graus segundo a Agência de Terremotos Chinesa e de 6,1 para o Centro Geológico dos Estados Unidos (USGS), acontecem em uma área montanhosa de 266.000 habitantes, uma zona 300 km ao norte de Kunming, a capital de Yunnan.

"Há muitos prédios afetados e estamos reunindo dados sobre os mortos e os feridos", declarou Chen Guoyong, funcionário do governo local citado pela Xinhua, na localidade de Longtoushan, epicentro do tremor.

As equipes de emergência transportavam as vítimas para os hospitais da região e procuravam sobreviventes entre os escombros.

As autoridades chinesas mobilizaram 7.000 pessoas, incluindo 5.000 soldados, policiais e bombeiros, para as tarefas de resgate. O primeiro-ministro Li Keqiang pretende visitar a região, segundo a agência estatal.

"As vítimas também estão lutando contra a chuva ininterrupta, que provocou a queda da temperatura nesta zona remota e que torna ainda mais grave a falta de água e medicamentos", destacou a Xinhua .

Um habitante de Wenzhou descreveu a região como "um campo de batalha depois de um bombardeio".

"Nunca havia passado por um tremor tão forte. Tudo o que vejo são ruínas", declarou à agência.

Segundo a Xinhua, a energia elétrica e as telecomunicações foram cortadas em toda a região. Mais de 57.000 pessoas em perigo devem ser transportadas para áreas seguras.

O sudoeste da China, situado entre as placas tectônicas Euro-asiática e Indiana, sofre com frequentes terremotos.

Em 1974, um terremoto de 6,8 graus na mesma região matou 1.500 pessoas e em setembro de 2012, 80 pessoas morreram em dois terremotos em uma região montanhosa entre as províncias de Yunnan e Ghizhou.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.