Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A ativista Wu Rongrong

(afp_tickers)

As autoridades chinesas retiraram a proibição de saída do país durante 10 anos de Wu Rongrong, uma ativista que passou mais de um mes na prisão em 2015 por uma campanha contra o assédio sexual nos transportes públicos.

Wu tem a intenção de viajar no domingo a Hong Kong para dar continuidade a seus estudos de Direito na cidade, que tem mais autonomia que a China continental.

"Foi um processo muito complicado, mas agora tenho as permissões e o passaporte de volta e poderei ir para qualquer lugar", disse à AFP.

Nas últimas semanas Wu, de 32 anos, publicou na rede social Weibo as cartas que recebeu da polícia, o que chamou a atenção da imprensa internacional.

"Não sei porque mudaram de ideia", declarou à AFP.

Em 2015, pouco antes do Dia Internacional da Mulher, Wu e outras quatro ativistas foram detidas quando pretendiam distribuir adesivos de protesto contra o assédio sexual nos transportes públicos.

Elas passaram mais de um mês na prisão por "provocar problemas", mas não foram acusadas de nenhum delito.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP