Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O presidente norte-coreano, Kim Jong-Un

(afp_tickers)

A China vê "sinais" de uma redução da tensão a respeito da crise na Coreia do Norte, mas a situação permanece "complicada" e as novas sanções dos Estados Unidos contra empresas chinesas relacionadas com Pyongyang "não vão ajudar" numa solução.

"A situação extremamente tensa" sobre a Coreia do Norte "apresenta sinais de diminuição, mas continua muito complicada e delicada", afirmou nesta quarta-feira Hua Chunying, porta-voz do ministério chinês das Relações Exteriores.

Ao mesmo tempo, afirmou que as novas sanções de Washington "não vão ajudar a encontrar uma solução", nem facilitarão a cooperação da China.

O governo dos Estados Unidos anunciou sanções contra 10 organizações e seis indivíduos chineses e russos, acusados de contribuir no desenvolvimento do programa nuclear do regime de Kim Jong-Un ao participar nos recursos do país.

Entre as empresas afetadas estão grandes importadores de carvão, como as companhias chinesas Zhicheng e Dandong Rich Earth.

Para Washington, estas organizações estão envolvidas em transações que beneficiam empresas vinculadas com o programa de desenvolvimento de armas nucleares e mísseis balísticos de Pyongyang.

As autoridades americanas ordenaram o congelamento de todos os seus bens nos Estados Unidos, assim como a proibição de sus cidadão a comercializar com estas empresas.

"A China se opõe a sanções unilaterais decididas foram do âmbito do Conselho de Segurança da ONU", insistiu Hua Chunying.

A tensão entre Pyongyang e Washington atingiu o ponto máximo em meados de agosto, após os testes de mísseis intercontinentais norte-coreanos. Após os testes, o presidente americano, Donald Trump, prometeu "fogo e fúria" contra o regime de Kim Jong-Un.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP