Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Uma construção em Pequim: a China diz que vai bater sua meta de crescimento em 2017

(afp_tickers)

A China vai conseguir bater sua meta de crescimento neste ano - anunciou o premier Li Keqiang em uma reunião internacional nesta terça-feira (27), buscando afastar preocupações com os riscos do setor financeiro do país.

Os temores de que a segunda maior economia do mundo perca seu impulso de crescimento existem, devido às políticas que desestimulam o crédito e a aquisição de propriedades. Por anos, ambos os índices alavancaram o crescimento. Há também receio de uma potencial crise de endividamento.

Pequim estabeleceu uma meta de crescimento de 6,5% em 2017, menor do que os 6,7% do ano passado - o índice mais baixo dos últimos 25 anos.

"Nós temos a capacidade de prevenir vários riscos e garantir que a economia vá operar dentro de uma margem razoável", afirmou Li, no Fórum Econômico Mundial, em Dalian.

Após anos de crescimento exponencial, a economia chinesa vem esfriando nos últimos anos. O país tenta reduzir sua dependência em investimentos pelo crédito e nas exportações.

A transição tem sido complicada. Pequim luta contra uma dívida enorme e contra o resultado dos grandes gastos de infraestrutura feitos pelo governo no auge da crise financeira mundial, em 2008.

Nos primeiros três meses deste ano, a China cresceu acima do esperado, a 6,9%, criando expectativas de que a economia se estabilizasse.

Li disse ainda que o impulso de crescimento continuou no segundo trimestre, com indicadores tradicionais - como geração de energia e consumo - avançando significativamente.

AFP