Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O site especializado Automotive News já havia informado o interesse da Great Wall Motor na Fiat Chrysler

(afp_tickers)

A chinesa Great Wall Motor anunciou, nesta segunda-feira (21), sua ambiciosa intenção de adquirir a montadora ítalo-americana Fiat-Chrysler Automobiles (FCA), após relatos de que queria comprar a Jeep, uma das marcas da empresa.

O acordo seria muito benéfico para a indústria automobilística da China, mas nos Estados Unidos pode acirrar tensões políticas. O presidente Donald Trump já criticou o desequilíbrio comercial entre seu país e o gigante asiático.

A Great Wall Motor é a sétima colocada entre as montadoras chinesas em termos de vendas - foram 1,07 bilhão de unidades na China e 17,4 mil no exterior no ano passado. A compra da FCA elevaria a empresa a um novo patamar.

"Estamos interessados em realizar esta aquisição", disse à AFP uma porta-voz da Great Wall, sem especificar se o negócio seria voltado para a FCA inteira, ou apenas para uma de suas marcas.

O site especializado Automotive News já havia informado o interesse da Great Wall Motor e que sua presidente, Wang Fengying, entrou em contato com a Fiat-Chrysler para expressar seu interesse em adquirir a Jeep.

Em um pronunciamento, a FCA disse que "não foi abordada pela Great Wall acerca da Jeep, ou de qualquer outro assunto relativo a negócios".

A porta-voz da chinesa não confirmou se as duas empresas já tinham entrado em contato.

- 'Joia da coroa' -

O diretor-executivo do grupo consultivo Gao Feng, Bill Russo, disse acreditar que a Great Wall Motor está interessada apenas na Jeep, em vez de adquirir toda a FCA e herdar seus passivos.

"A Jeep é a joia da coroa da Fiat Chrysler em termos de marca e de equidade", disse à AFP Russo, ex-executivo da Chrysler.

A Great Wall é conhecida por seus veículos utilitários e esportivos, populares na China. O negócio seria, portanto, "bem complementar", disse o analista.

A China é o maior mercado de veículos mundial, e as vendas de SUVs no ano passado subiram 45%, com 9 milhões de unidades vendidas, segundo dados da indústria.

A Fiat Chrysler vendeu 110 mil carros fabricados na China na primeira metade deste ano, graças, sobretudo, à alta das vendas de Jeeps montados em parceira com o grupo GAC.

Com a venda de seus modelos em declínio nos Estados Unidos, uma aquisição da China poderia dar uma sobrevida à FCA, em especial para as marcas Chrysler, Dodge e Fiat.

O CEO da FCA, Sergio Marchionne, separou a Ferrari do grupo em 2015 e gostaria de fazer o mesmo com Alfa Romeo e Maserati. Portanto, a venda de qualquer uma de suas outras marcas para um investidor chinês estaria dentro de sua estratégia corporativa.

"Eles podem conseguir um bom preço" pela Jeep, avaliou Russo.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP