Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Equipe de Proteção Civil perto de cratera, no México, em 31 de agosto de 2017

(afp_tickers)

Um inédito socavão de ao menos sete metros de profundidade e dez de diâmetro se formou nesta quinta-feira na Cidade do México após as fortes chuvas provocadas pela passagem da tempestade tropical Lidia no Pacífico, sem deixar vítimas.

O colapso foi registrado de manhã perto do Paseo de la Reforma, uma das avenidas mais emblemáticas da megalópole, frequentada por um grande número de turistas.

Desde a tarde de quarta-feira até cerca de meia-noite foi registrada uma chuva intensa generalizada na Cidade do México que causou inundações na capital e em sua zona metropolitana.

Funcionários da Proteção Civil isolaram a zona onde se abriu o socavão e fecharam a circulação ao trânsito de veículos.

Imagens transmitidas por televisões locais mostram como o buraco se formou, deixando expostos tubos de drenagem e instalações elétricas.

O coordenador nacional de Proteção Civil, Luis Felipe Puente, disse que este fenômeno foi resultado das fortes chuvas e das condições do subsolo da Cidade do México.

"Vivemos em uma cidade que foi um lago e o subsolo tem características de permeabilidade muito diferente", disse Puente em coletiva de imprensa ao alertar que podem ocorrer falhas similares em outras zonas.

A capital mexicana está situada em uma zona de lagos e rios onde estava localizada originalmente a antiga Tenochtitlan, a capital do império azteca. Por isso, é suscetível a sofrer inundações quando ocorrem chuvas muito fortes, como nos últimos dias.

A capital e outras regiões do país sofreram fortes precipitações pela passagem da tempestade tropical Lidia, que às 18H00 GMT (15H00 em Brasília) se situava a 40 km do balneário de Cabo San Lucas (noroeste).

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP