Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Agentes da Flórida vigiam o local onde Spencer deverá discursar, em Gainesville

(afp_tickers)

A cidade universitária de Gainesville, no norte da Flórida, amanheceu blindada nesta quinta-feira (19) antes de um evento com o supremacista branco Richard Spencer, cujos discursos terminaram em contraprotestos e atos violentos em agosto.

Os arredores da Universidade da Flórida (UF), assim como as ruas que dão acesso ao campus, estão fechados ao trânsito. As aulas nos locais próximos ao Centro Philips, onde acontecerá o evento, foram suspensas.

Também está proibido carregar - dentro e nas proximidades do local - vários artigos, incluindo escudos, guarda-chuva, garrafa de água e mochilas.

Para protestar contra a chegada de Spencer à cidade, alguns universitários exibiam cartazes com a frase "Amor, não ódio". Mensagens a favor da diversidade também foram espalhadas.

Com a hashtag #TogetherUF, líderes estudantis promoviam nas redes sociais uma "assembleia virtual" para manter afastadas as contramanifestações dos que desejam ouvir a palestra de Spencer.

"Queremos reduzir a atenção deste polêmico orador e obter manchetes com as coisas incríveis feitas pelo nosso corpo estudantil", disse o aluno Bijal Desai, um dos organizadores.

Lecia Brooks, porta-voz dp Southern Poverty Law Center - SPLC, uma ONG que monitora os grupos de ódio nos Estados Unidos - acredita que Spencer "provavelmente vai falar sobre seu desejo de criar um Estado étnico branco".

"Ele é um dos líderes do movimento nacionalista branco e criou a expressão 'Alt-Right' (direita alternativa). Tem muita influência", disse Brooks à AFP.

A organização presidida pelo supremacista de 39 anos, o National Policy Institute, é catalogada como um grupo de ódio pelo SPLC.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP