Navigation

CIDH denuncia quase mil detenções em protestos na Venezuela

Manifestação de opositores ao governo do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, marcha em Caracas em 30 de janeiro de 2019 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 01. fevereiro 2019 - 23:57
(AFP)

Nesta sexta-feira, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) denunciou que cerca de mil pessoas foram presas na Venezuela nos últimos dez dias de janeiro e expressou "alarde pela repressão maciça contra os manifestantes".

"Segundo as informações recebidas, as autoridades prenderam entre 21 e 31 de janeiro de 2019, um total de 943 pessoas em pelo menos 22 estados venezuelanos", informou em comunicado a Comissão, entidade autônoma da Organização, de Estados Americanos (OEA).

A Venezuela vive um momento de aguda tensão política, após o apelo à mobilização feito pelo chefe do Parlamento, Juan Guaidó, que se proclamou presidente interino denunciando a "usurpação" do presidente Nicolás Maduro, cujo segundo mandato iniciado em 10 de janeiro é desconhecido. por uma grande parte da comunidade internacional.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.