Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Leopoldo López, opositor de Nicolás Maduro, participa de manifestação, no dia 18 de fevereiro de 2014, em Caracas

(afp_tickers)

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) pediu nesta segunda-feira à Venezuela para tomar medidas cautelares a favor do líder opositor preso Leopoldo López e outro dirigente, por considerar que sua vida e integridade pessoal estão "em risco".

"A Comissão avalia (...) que os direitos à vida e à integridade pessoal de Leopoldo López e Daniel Ceballos estariam em situação de risco", destacou o organismo autônomo da Organização dos Estados Americanos (OEA), em sua decisão.

Para a CIDH, com sede em Washington, a prisão continuada de López e de Ceballos nas condições denunciadas estaria violando os direitos humanos dos presos.

"A possível continuidade, no tempo, das atuais supostas condições da prisão e da alegada exposição reiterada ao isolamento poderia implicar sérias violações dos direitos à vida e à integridade pessoal, física e psicológica" de López e Ceballos, destacou o organismo.

López, acusado de incitar à violência nos protestos de começo de 2014 contra o governo de Nicolás Maduro que deixaram 43 mortos, está na prisão militar de Ramo Verde, a 30 km de Caracas, desde fevereiro de 2014.

Em agosto deste ano, a ONG Observatório Venezuelano de Prisões apresentou um pedido de medidas cautelares à CIDH.

AFP