Navigation

CIDH exige a governo Maduro que proteja a vida de Guaidó

Nicolás Maduro, presidente da Venezuela (esq.), e Juan Guaidó, líder da oposição (dir.) afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 28. fevereiro 2019 - 21:51
(AFP)

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) exortou nesta quinta-feira (28) o governo venezuelano, chefiado pelo presidente Nicolás Maduro, a proteger a vida do líder opositor Juan Guaidó, após reportar denúncias de ameaças de morte contra ele.

A CIDH, entidade autônoma da Organização dos Estados Americanos (OEA), lembrou às autoridades venezuelanas que devem cumprir as medidas de proteção outorgadas em 25 de janeiro a Guaidó, reconhecido por mais de 50 países como presidente interino da Venezuela.

Em sua condição de chefe do Parlamento, Guaidó se autoproclamou presidente interino em 23 de janeiro, comprometendo-se a organizar novas eleições depois que o Legislativo considerou ilegítima a reeleição de Maduro.

A CIDH, que no fim de semana rejeitou em um tuíte "o uso da força como recurso para solucionar qualquer diferença na Venezuela", disse na quinta-feira ter conhecimento de ameaças recentes de morte contra Guaidó.

"Tais ameaças teriam sido feitas através de telefonemas a familiares e teriam sido antecedidas de outros eventos de risco que foram conhecidos pela Comissão", indicou.

Segundo a visita de "supostos funcionários de uma unidade especial da Polícia Bolivariana" à residência de Guaidó, assim como a prisão temporária do líder opositor em meados de janeiro, que segundo lembrou a CIDH foi qualificada pelas autoridades venezuelanas de "irregular".

Guaidó foi detido em 13 de janeiro a plena luz do dia quando viajava por uma rodovia, interceptado por duas caminhonetes com agentes do Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional (Sebin), encapuzados e com armas longas.

Por tudo isso, a CIDH pediu ao governo de Maduro a garantir a integridade e a segurança de Guaidó e de sua família, "inclusive a proteção aos seus direitos em relação a atos de risco atribuíveis a terceiros".

Guaidó, que na semana passada burlou uma ordem de proibição de saída do país emitida pela Justiça alinhada a Maduro, anunciou nesta quinta-feira, em visita ao Brasil, que vai voltar a Caracas "nos próximos dias (...) apesar das ameaças".

"Recebo ameaças pessoais e familiares, mas também ameaças de encarceramento por parte do regime. Mesmo assim, isto não vai evitar nosso retorno à Venezuela este fim de semana, mais tardar na segunda-feira", disse em coletiva de imprensa.

Maduro disse que o líder opositor deverá enfrentar a Justiça em seu retorno ao país, segundo entrevista à emissora americana ABC News, difundida na segunda-feira.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.