Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

De acordo com um estudo publicado na revista Science, o aquecimento global se intensificará novamente assim que o calor subir para a superfície da água.

(afp_tickers)

A aparente desaceleração do aquecimento na superfície terrestre nos últimos 15 anos pode ser atribuída a um aprisionamento do calor nas profundezas do Oceano Atlântico e dos mares do sul, afirmaram cientistas nesta quinta-feira.

O estudo, publicado na revista Science, sugere que tais ciclos têm ocorrido nos últimos 20 a 35 anos, e que o aquecimento global se intensificará novamente assim que o calor subir para a superfície da água.

"A cada semana há uma nova explicação para estas interrupções", afirmou o coautor da pesquisa, Ka-Kit Tung, professor de matemática aplicada e membro adjunto da faculdade de ciências atmosféricas da Universidade de Washington.

"Temos acompanhado as observações no oceano para tentar encontrar a causa subjacente", prosseguiu.

Tung e Xianyao Chen, da Ocean University, da China, estudaram as temperaturas das profundezas a partir de amostras d'água coletadas até 2.000 metros de profundidade.

Eles descobriram que, em 1999, a água começou a esquentar mais, bem quando o rápido aquecimento do século XX começou a decair.

Segundo os pesquisadores, o fato de que o calor se desloque para o fundo do mar explica porque a superfície permanece com temperaturas estáveis, da mesma forma que os gases de efeito estufa prendem mais o calor do sol na superfície da Terra.

Eles descobriram ainda que, diferentemente dos estudos anteriores, o calor não ficava preso no oceano Pacífico.

"Esta descoberta é uma surpresa", disse Tung. "Mas os dados são bastante convincentes e mostram outra coisa", afirmou.

As mudanças climáticas coincidiram, ainda, com um aumento da salinidade e na densidade da água na superfície do norte do Atlântico, perto da Islândia.

Esta dinâmica gera mudanças na velocidade das enormes correntes do Atlântico que circulam quentes através do planeta, acrescentou o estudo.

"Quando a água mais densa fica por cima da mais leve, ela cai muito rápido e sua temperatura aumenta por isso", disse Tung.

"Há ciclos recorrentes impulsionados pela salinidade que podem armazenar o calor nas profundezas dos oceanos Atlântico e os mares do sul", acrescentou Tung.

"Depois de 30 anos de aquecimento acelerado na fase quente, agora é o momento da fase fria", prosseguiu.

AFP