Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Imagem de un planeta em órbita divulgada no dia 22 de setembro de 2016

(afp_tickers)

O telescópio espacial Kepler da Nasa descobriu dez novos exoplanetas de tamanho parecido ao da Terra e situados na zona habitável das suas estrelas, a uma distância em que poderia existir água em estado líquido e permitir a vida.

As novas descobertas anunciadas nesta segunda-feira chegam após vários anúncios similares recentes e sugerem que os exoplanetas (planetas fora do Sistema Solar) gêmeos da Terra podem não ser tão raros na nossa galáxia, a Via Láctea.

"O mais emocionante em relação a estas descobertas hoje é ter podido contar o número de planetas similares à Terra nesta parte do céu", explicou Susan Thompson, integrante do grupo de cientistas da equipe do Kepler e do instituto Seti, dedicado à busca de inteligência extraterrestre.

"E com estes dados vamos poder determinar a frequência destes planetas e se é possível encontrá-los em outros lugares na galáxia onde a vida seria possível", acrescentou durante uma coletiva de imprensa no âmbito da conferência "Fourth Kepler and K2 Science" que é realizada esta semana no centro de pesquisas Ames da Nasa, na Califórnia.

"Este catálogo meticuloso é o fundamento científico que permitirá responder diretamente a uma das questões mais atrativas da astronomia, que é determinar o número de planetas irmãos da Terra" na Via Láctea, explicou a cientista.

Estes planetas fazem parte do grupo de 219 novos exoplanetas descobertos pelo Kepler.

No total, 4.034 potenciais exoplanetas foram detectados pelo Kepler desde o início da sua missão, dos quais 2.335 foram confirmados por outros telescópios.

Cerca de 50 destes planetas são de um tamanho próximo ao da Terra e se encontram em órbita em uma zona habitável, incluindo os últimos dez cuja existência foi divulgada na segunda-feira.

- Mais de 150.000 estrelas -

Mais de 30 destes 50 exoplanetas potencialmente irmãos da Terra foram confirmados por outras observações.

Em fevereiro, astrônomos anunciaram a descoberta, com o telescópio espacial americano Spitzer, de sete planetas rochosos de tamanho comparável ao da Terra que orbitam em volta de uma só estrela, a Trappist-1. Três destes planetas estão situados na zona habitável da sua estrela.

Com estas últimas descobertas do Kepler, a Nasa publica a versão mais recente, completa e detalhada do catálogo dos exoplanetas encontrados a partir de dados coletados durante quatro anos de observações desse telescópio.

O Kepler foi lançado em 2009, mas sua missão original foi finalizada inesperadamente em 2013 devido a uma falha dos seus giroscópios.

O telescópio escrutou 150.000 estrelas na constelação de Cygnus e foi por muito tempo o mais frutífero.

O aparelho detecta os planetas quando eles passam na frente das suas estrelas, o que faz com que sua luz diminua momentaneamente. Isto permite, entre outras coisas, deduzir seu tamanho, massa e órbita.

Utilizando dados proporcionados pelo Kepler, um dos grupos de pesquisa pôde realizar medições precisas de milhares de planetas.

O catálogo definitivo do Kepler servirá de base para outras pesquisas para determinar a frequência das diferentes categorias de planetas na galáxia.

"Compreender sua frequência na Via Láctea ajudará a projetar as futuras missões da Nasa para encontrar outra Terra", indicou Mario Pérez, da Divisão de Astrofísica da agência espacial americana e chefe científico da missão Kepler.

A partir de 2018, a NASA utilizará o sucessor do Kepler, o "Transiting Exoplanet Survey Satellite" (TESS) que, com o mesmo método, escrutará durante dois anos 200.000 das estrelas mais brilhantes da nossa vizinhança cósmica em busca de planetas de tamanhos similares ao da Terra.

AFP