AFP

Illimani ao fundo, na Bolívia, no dia 26 de novembro de 2008

(afp_tickers)

Cientistas da missão Ice Memory começaram a descer nesta sexta-feira do nevado boliviano Illimani com amostras de gelo que serão armazenadas em uma base da Antártica, como parte de um programa de conservação da memória de geleiras expostas às mudanças climáticas.

"Finalmente chegaram. Frescas. As primeiras peças de gelo do projeto #Illimani! Bravo, equipe!", escreveu a missão em sua conta oficial de Facebook, ao lado de uma foto de blocos desse nevado, de 6.400 metros de altitude.

O Illimani abriga até 18.000 anos de informações climáticas e ambientais, de uma região extensa entre o Altiplano e a Amazônia bolivianos.

Estes blocos de gelo serão trasladados à base do Projeto Ice Memory na Antártica, onde foi estabelecida "a primeira biblioteca mundial de arquivos glaciares das geleiras ameaçadas pelo aquecimento global", segundo um relatório do Instituto francês de Pesquisa para o Desenvolvimento (IRD).

Os cientistas fizeram uma primeira perfuração nos Alpes franceses no ano passado.

Em uma declaração em março passado em Paris, Jérôme Chappellaz, diretor de pesquisa do Centro Nacional francês de Pesquisa Científica (CNRS), disse que atualmente estes "arquivos" estão em perigo, pois devido ao aumento da temperatura global, as geleiras derretem e "a água do degelo vaza no interior e apaga os registros geoquímicos que (...) interessam".

A expedição no Illimani, que reuniu cerca de vinte cientistas da França, Brasil, Rússia, Bolívia e Estados Unidos, começou em 22 de maio e será concluída daqui a dez dias, segundo a organização.

Além das variações climáticas, o Illimani é submetido à exploração mineira.

Em abril passado, milhares de indígenas que vivem ao redor do Illimani tomaram o centro de La Paz com uma marcha que exigia a preservação da geleira.

Os locais pedem às autoridades a promulgação de uma lei para que o nevado seja patrimônio natural e para evitar qualquer exploração que contamine afluentes que nascem do seu degelo, que alimentam a atividade agrícola.

AFP

 AFP