Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Fazendeiro mostra gérmens de trigo em 19 de agosto de 2013, nos Estados Unidos

(afp_tickers)

O mapa genético do trigo foi decodificado preliminarmente pela primeira vez, anunciaram cientistas nesta quinta-feira, uma descoberta que pode resultar em melhora dos cultivos e em sua proteção contra doenças e secas.

O trigo, terceiro maior cultivo mundial, depois do milho e do arroz, é o principal alimento para 30% da população do planeta, mas desvendar seus segredos genéticos se mostra particularmente difícil porque seu genoma é cinco vezes maior que o humano.

Este esforço mais recente significa que a sequência completa do genoma do trigo poderá ser totalmente decodificada dentro de três anos.

Os cientistas se concentraram em uma variedade cultivada conhecida como Trigo Comum ("Triticum aestivum L.")

Eles produziram um esboço de decodificação de seu genoma, incluindo a localização de mais de 124.000 genes, muitos deles relacionados com a qualidade do grão, sua resistência a pragas e tolerância ao estresse.

Uma equipe de cientistas franceses também mapeou um cromossomo completo do trigo, conhecido como 3B, restando decifrar outros 20 cromossomos.

"Alcançamos um importante marco em nosso mapa", disse Catherine Feuillet, copresidente do Consórcio Internacional de Sequenciamento do Genoma do Trigo (IWGSC).

"Sabemos agora a forma de obter um sequenciamento de referência para os 20 cromossomos restantes e esperamos ser capazes de encontrar os recursos de realizá-lo nos próximos três anos", acrescentou.

Eduard Akhunov, professor associado de patologia vegetal na Universidade do Estado do Kansas, descreveu o trabalho como um "avanço muito significativo para a genética do trigo e a comunidade agrícola".

Agricultores afirmam ser necessário desenvolver estratégias melhores porque, à medida que, segundo projeções, a população mundial deve chegar aos 9 bilhões em 2050, a produção de trigo está caindo, devido ao aquecimento global.

A produção de trigo recuou 5,5% entre 2000 e 2008, sobretudo devido ao clima quente e seco, destacou o estudo, publicado na revista Science por cientistas do IWGSC.

Enquanto isso, os agricultores precisam aumentaram em 70% sua produção na próxima década para atender à demanda do planeta por comida.

"Para enfrentar estes desafios, será essencial uma rápida mudança de paradigma, comparável à primeira revolução verde, nos anos 1960, nos avanços baseados na ciência sobre a genética e a produção de trigo", destacou o estudo.

AFP