Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A fusão de dois buracos negros teria ocorrido a três bilhões de anos-luz e gerado um objeto cuja massa é 49 vezes a do Sol

(afp_tickers)

Uma equipe internacional de cientistas anunciou nesta quinta-feira uma nova detecção de ondas gravitacionais, a terceira observação destas distorções no espaço-tempo previstas na teoria da relatividade geral de Albert Einstein em 1915.

A primeira detecção direta de ondas gravitacionais, produto de ligeiras perturbações do tecido do espaço-tempo por efeito do deslocamento de objetos enormes, foi anunciada em 11 de fevereiro de 2016.

Este acontecimento histórico abriu uma nova janela na astronomia para avançar na compreensão dos mistérios do cosmos, ressaltaram os astrofísicos.

Uma segunda observação do fenômeno foi anunciada em 15 de junho de 2016.

O evento que deu origem às ondas detectadas em 4 de janeiro de 2017, de acordo com o estudo publicado na revista americana Physical Review Letters nesta quinta-feira, foi o mais distante já observado: a fusão de dois buracos negros teria ocorrido a três bilhões de anos-luz e gerado um objeto cuja massa é 49 vezes a do Sol.

Nos casos anteriores, as ondas gravitacionais detectadas também haviam sido geradas a partir da colisão de buracos negros.

As três detecções foram realizadas por meio do instrumento Ligo (Observatório de Ondas Gravitacionais por Interferômetro de Laser), que conta com dois detectores idênticos de quatro quilômetros de comprimento, localizados a 3.000 km um do outro, em Louisiana e no estado de Washington.

A primeira fusão detectada, ocorrida a 1,3 bilhão de anos-luz, deu origem a um objeto de massa equivalente a 62 vezes a do Sol. Já o segundo evento observado teria ocorrido a 1,4 bilhão de anos-luz e gerou um objeto com 21 massas solares.

"É notável que os humanos possam teorizar e testar este tipo de fenômenos estranhos e extremos que aconteceram há bilhões de anos e a bilhões de anos-luz de distância da Terra", afirmou David Shoemaker, astrofísico do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) e porta-voz da colaboração científica do Ligo.

- Lado escuro do Universo -

Esta última observação fornece "uma confirmação adicional da existência de buracos negros que são maiores do que 20 massas solares. Estes são objetos que não sabíamos que existiam antes do Ligo detectá-los", acrescentou Shoemaker.

Sem a detecção das ondas gravitacionais, os buracos negros são invisíveis porque não emitem luz, apontou Shoemaker.

Devido ao fato de que a fonte das ondas detectadas mais recentemente está muito mais longe, esta descoberta permitiu provar a exatidão de um dos corolários da teoria da relatividade geral, segundo a qual as ondas gravitacionais não se dispersam ao se propagar, dando uma vez mais a razão a Albert Einstein.

A localização das fontes de sinais de ondas gravitacionais melhorará significativamente no decorrer dos próximos meses, quando o Virgo, o interferômetro europeu localizado na Itália, aumentar sua rede de sensores, afirmam os astrofísicos.

"Com a confirmação da terceira detecção de ondas gravitacionais, o Ligo se reafirma como um observatório poderoso para revelar o lado escuro do Universo", comemorou David Reitze, responsável do Ligo em Caltec, o Instituto de Tecnologia da Califórnia.

"Embora o Ligo tenha sido concebido especificamente para observar as fusões dos buracos negros, esperamos poder captar em breve outros eventos de astrofísica, como as colisões violentas entre duas estrelas de nêutrons", explicou.

O Ligo, no qual trabalham mais de 1.000 cientistas dos Estados Unidos e de outros 14 países, captou pela primeira vez as ondas gravitacionais em setembro de 2015 durante sua primeira campanha de observação após a modernização do instrumento.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP