Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Danilo Hernández, comandante da Frente de Guerra Ocidental Resistência Cimarrón do Exército de Libertação Nacional (ELN), durante entrevista à AFP, em Alto Baudo, no dia 26 de janeiro de 2017

(afp_tickers)

Cinco supostos guerrilheiros do Exército de Libertação Nacional (ELN), único grupo rebelde ativo da Colômbia e que negocia a paz com o governo, foram capturados "nas últimas horas" no nordeste do país, informaram nesta sexta-feira fontes oficiais.

Durante as operações militares, tropas da Oitava Divisão do Exército colombiano prenderam os supostos rebeldes no município de Tame, departamento de Arauca, fronteiriço com a Venezuela, e confiscaram diferentes tipos de armas, indicou a autoridade em um comunicado.

Os detidos foram identificados como Leidy Matilde Moreno, conhecida como "Viviana", Jairo Andrés Caicedo ("El Gordo"), Germán Ramírez ("El Diablo"), Jorge Luis Suárez ("El Churco") e Yimer Alexander Tejedor ("Gavilán"), sustentou a Procuradoria em um boletim.

Os supostos rebeldes, que foram enviados a uma prisão do município de de Saravena, são investigados por crimes como homicídio, furto, sequestro extorsivo e rebelião, acrescentou o ente acusador.

Os detidos estão entre três e dez anos nas fileiras do ELN, que começou em fevereiro as negociações de paz com o governo em Quito, as quais ocorrem em meio ao confronto, para pôr fim a um conflito armado de meio século.

Segundo as autoridades, Viviana, que aceitou as acusações, era a "ligação logística" da frente Domingo Laín do ELN e coordenava o deslocamento de líderes; El Gordo recolhia o dinheiro mediante extorsões; e El Churco é assinalado de participar em ações armadas que deixaram um índio e soldados mortos.

No entanto, Gavilán e El Diablo eram encarregados de "executar assassinatos na região", assegurou o Exército.

Nas negociações com o ELN, com 1.500 combatentes segundo cálculos oficiais, o governo de Juan Manuel Santos busca a "paz completa" após a assinatura em novembro de um acordo histórico com as Farc.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP