Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Mineiros descem em El Cerezo durante busca após explosão, em Cucunubá, em 24 de junho de 2017

(afp_tickers)

A explosão em uma mina ilegal de carvão na Colômbia deixou um balanço final de 13 mortos e um ferido, anunciou neste domingo o ministério do Minas, ao fim dos trabalhos de busca.

"Durante mais de um dia, sem descanso algum, nossos socorristas resgataram os corpos de 13 pessoas, assim como um ferido", disse Silvana Habib, presidente da Agência Nacional de Mineração (ANM).

Os trabalhos de resgate liderados pela ANM e a estatal Unidade Nacional para a Gestão do Risco de Desastres (UNGRD) terminaram na noite de sábado, após mais de 30 horas.

A explosão na mina aconteceu na sexta-feira por um suposto acúmulo de gás metano no município de Cucunubá, departamento de Cundinamarca (centro), a 90 quilômetros de Bogotá.

As autoridades informaram no sábado à noite que procuravam dois desaparecidos e os corpos foram encontrados algumas horas depois.

O vice-ministro de Minas, Carlos Andrés Cante, anunciou a abertura de uma investigação para estabelecer as causas da tragédia e fez um apelo para o cumprimento das garantias de segurança para os mineiros e pelo fim das jazidas ilegais.

A ANM informou no sábado que o município tem 44 minas legais e um número similar de irregulares.

Em um relatório, a entidade afirmou que nos primeiros cinco meses de 2017 houve na Colômbia 28 emergências de mineração, que deixaram 23 mortos e 33 feridos. Cerca de 60% destes acidentes ocorreram em minas de carvão.

Em 2016 foram registrados 114 emergências deste tipo, com um balanço de 124 mortos, detalhou o relatório.

A produção de carvão encerrou 2016 com uma "cifra histórica" para a Colômbia, acima de 90 milhões de toneladas, segundo o Ministério de Minas e Energia.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP