Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos

(afp_tickers)

O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, condenou nesta quarta-feira (15) o "dano" que acusações "sem qualquer fundamento" a respeito do financiamento da construtora Odebrecht à sua campanha causaram a seu governo.

Santos disse acreditar no esclarecimento, em breve, sobre o assunto.

Nesse sentido, o presidente citou uma carta, cuja autenticidade foi confirmada por autoridades na quarta-feira, que nega que a Odebrecht tenha contribuído com recursos para sua reeleição em 2014.

"Muito importante que esse testemunho seja levado em conta, porque o dano inicial foi feito, o dano inicial deu a volta ao mundo, e era um dano que salpicou o governo, não as instituições colombianas", disse Santos em Guayaquil, onde participou de um encontro com o presidente equatoriano, Rafael Correa.

Em 7 de fevereiro, o Ministério Público disse que o ex-senador Otto Bula, detido em janeiro por, supostamente, ter recebido US$ 4,6 milhões da Odebrecht para a concessão de obras públicas, teria entregue US$ 1 milhão a Andrés Giraldo, intermediário da campanha de Santos.

Bula negou essas afirmações em uma carta divulgada na terça-feira, rejeitando que os recursos tenham sido direcionados para a candidatura do mandatário.

"Manifestarei entre outras coisas, que não é certo, nem me consta, nem disse que o dinheiro que entreguei ao senhor Andrés Giraldo foi um aporte à campanha Santos Presidente, ou ao senhor Juan Manuel Santos", afirma o texto assinado por Bula e cuja autenticidade foi confirmada nesta quarta-feira pelo presidente do CNE, Alexander Vega.

"Ontem (terça-feira) pude corroborá-la novamente com o senhor advogado de Otto Bula", enfatizou Vega à Caracol Radio, ressaltando que o documento é original.

"Mais claro do que isso é impossível", disse Santos nesta quarta-feira em entrevista coletiva.

"Tomara que essas investigações sejam realizadas o mais rápido possível para esclarecer a situação", apontou o Nobel de Paz 2016.

Segundo revelou ao Ministério Público no dia 7 de fevereiro, Giraldo se reuniu com Bula para receber o dinheiro que teria como destinatário final o gerente da candidatura do presidente, Roberto Prieto.

Entretanto, um dia depois, o procurador-geral, Néstor Humberto Martínez, explicou que o ente acusador não tem prova física sobre o pagamento, embora exista a declaração juramentada de Bula.

Em sua carta divulgada na terça-feira, o ex-senador Bula também afirmou sua disposição de fazer uma "declaração juramentada" no CNE, encarregado de investigar supostas irregularidades nas campanhas políticas.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP