Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(3 abr) Funeral de uma vítima do deslizamento de terra em Mocoa

(afp_tickers)

O deslizamento de terra que arrasou a cidade colombiana de Mocoa, onde nesta quinta-feira continuavam as buscas por corpos, deixou até o momento 311 mortos, entre eles 100 crianças, segundo o último balanço oficial.

O último relatório entregue à tarde pela Unidade Nacional para Gestão de Risco de Desastres (UNGRD) afirma que, do total de mortos, 100 são crianças.

As autoridades entregaram 237 corpos a suas famílias. O ministro da Defesa e encarregado da tarefa de reconstruir Mocoa, Luis Carlos Villegas, afirmou que espera que até o fim do dia todos os corpos estejam junto de seus entes queridos.

O número de feridos se mantém em 332, acrescentou. No entanto, os desaparecidos são 300, segundo cálculos entregues na quarta-feira pelo presidente Juan Manuel Santos.

Entre os desaparecidos há quatro estrangeiros: um espanhol, um alemão, um equatoriano e um britânico.

A chancelaria reportou nesta quarta-feira a morte de uma cidadã equatoriana. Outros 23 estrangeiros - entre eles um canadense, um chileno, seis espanhóis, um turco e um israelense - já foram localizados sem problemas.

A diretora do Instituto Colombiano do Bem-estar Familiar, Cristina Plazas, lamentou o falecimento dos menores de idade e destacou como uma "boa notícia" que todas as crianças tenham sido identificadas por um familiar.

"Até o momento não temos nenhuma criança sem família", assinalou à Blu Radio. Antes de entregar um menor de idade para um parente, é necessária a realização de um teste de DNA, afirmou.

Até o momento, as autoridades atenderam mais de 1.200 crianças nos abrigos oficiais e nos bairros. Nos refúgios há 97 mulheres grávidas, ou amamentando, e bebês recém-nascidos, acrescentou Plazas.

O deslizamento ocorrido na noite de sexta-feira à noite pela cheia de três rios, após as fortes chuvas, afetou 45.000 dos 70.000 moradores de Mocoa, segundo cálculos oficiais.

A UNGRD contabilizou pelo menos 3.240 pessoas danificadas - sem moradia e necessitando de ajuda humanitária - distribuídas nos abrigos.

A reconstrução da cidade pode levar até dois anos, assinalou Villegas.

- "Alerta para todo o país" -

A busca por corpos e possíveis sobreviventes continuava nesta quinta-feira com socorristas, equipamentos e helicópteros.

O núncio apostólico Ettore Balestreto - representante do papa Francisco na Colômbia - celebrará nesta quinta-feira uma missa na catedral da cidade em memória das vítimas.

Segundo um estudo, a tragédia de Mocoa poderia se repetir em mais 385 locais da Colômbia, e supera o último grande desastre natural sofrido pelo país, um deslizamento em Salgar que matou 92 pessoas em maio de 2015.

Para agilizar os trabalhos de reconstrução, o governo formalizou o anunciado decreto que declara Mocoa em emergência econômica, social e ecológica por 30 dias, permitindo fazer contratações dos serviços necessários de maneira direta, sem que sejam exigidos os processos formais que levam mais tempo.

Para o ministro do Meio Ambiente, Luis Gilberto Murillo, a tragédia "foi um fato extraordinário que nem sequer ocorreu com o fenômeno La Niña em 2010 e 2011", agravado por haver bairros em zonas de risco.

Em declarações ao jornal El Tiempo, o funcionário assegurou que o deslizamento em Mocoa "é um alerta para todo o país" e sustentou que o ordenamento territorial deve ser atualizado, adaptando-se à variabilidade extrema do clima e à mudança climática.

O ministro explicou que, apesar de haver reservas de florestas nas bacias médias e altas do três rios que transbordaram, "houve desmatamento por plantações e rebanhos, sem conservar as proteções ambientais e as reservas".

As florestas são, segundo especialistas, uma barreira natural contra as cheias. Se elas não existem, causam danos.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP