Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Maio) Folhas de maconha maceradas em um laboratório da reserva indígena de Toez, Colômbia

(afp_tickers)

A Colômbia está apostando no emergente mercado mundial da maconha com fins medicinais, em função de seu clima tropical, uma oferta ilimitada de permissões e sua experiência no plantio.

Ao conceder no fim de junho a primeira permissão de produção de derivados desta planta à empresa colombiana-canadense PharmaCielo, o ministro da Saúde, Alejandro Gaviria, deixou claros os interesses do país.

"A Colômbia pode ser o ganhador deste mercado emergente de produtos de maconha medicinal", disse, garantindo que o governo manterá aberta a concorrência no setor e entregará licenças a "todas as empresas que cumprirem com os requisitos". A estas vantagens institucionais se somam os benefícios naturais que o país oferece para o cultivo de maconha, destacou.

O presidente da PharmaCielo, Federico Cock-Correa, entusiasmado com as perspectivas da licença obtida, disse à AFP que especialistas contratados pela companhia constataram que a Colômbia tem condições excepcionais para o cultivo da planta.

- De flores à maconha -

"A maconha precisa de 12 horas de luz diúrna e 12 horas de luz noturna, o que permite um excelente desenvolvimento da planta sob as condições dos trópicos, já que não requer as estufas utilizadas no norte", afirmou o empresário, que incursiona neste negócio após mais de 30 anos de experiência no cultivo e exportação de flores, pelas quais a Colômbia é reconhecida mundialmente.

"No tema não apenas técnico-ambiental, mas também no de custos, a Colômbia é muito competitiva por já ter uma indústria estabelecida, trabalhadores com conhecimento, agrônomos etc. É preciso apenas mudar o tipo de flor e fazer a adaptação técnica para a maconha medicinal", explicou Cock-Correa.

Na Colômbia, as licenças estão sendo concedidas seguindo um decreto do fim de 2015, que regula o cultivo, transformação, importação e exportação da maconha e seus derivados com fins terapêuticos, e uma recente resolução do ministério da Saúde.

Os dois instrumentos são anteriores à aprovação no Congresso, em maio, de uma lei que autoriza o cultivo e o uso de maconha com fins medicinais e científicos, que substitui uma lei de 1986 que nunca foi regulamentada.

"Exportar ao futuro"

Diante do vácuo local e aproveitando a autonomia dos povos indígenas colombianos, o empresário Juan Pablo Guzmán semeia há anos maconha para produzir óleos, cremes e até um spray íntimo para melhorar a resposta sexual feminina em Toez, a 200 km da cidade de Cali (oeste).

"Temos a empresa e estamos dentro da lei porque os conselhos indígenas são autônomos, sobretudo quando se trata de um cutivo com fim medicinal", explicou Guzmán, que distribui seus produtos em todo o país e que com a nova lei espera ampliar seu negócio pela possibilidade de "cultivar em qualquer lugar" e inclusive "exportar no futuro".

A PharmaCielo e a Sannabis, a empresa familiar de Guzmán, são modelos de negócios muito diferentes, mas ambos têm a intenção de chegar ao mercado internacional de maconha medicinal, que promete muitas vantagens.

"Há benefícios econômicos, há benefícios sociais para as comunidades (onde as indústrias se assentarem) e há um benefício em termos de saúde pela disponibilidade de produtos, já que existe uma demanda importante", afirmou Gaviria.

Com esta diretriz, na semana passada o ministério concedeu outras duas licenças de produção à empresa colombiana Labfarve-Ecomedics e à canadense Cannavida.

- A segurança, um desafio -

Mas em um país atingido por mais de 50 anos de conflito armado, que busca firmar a paz com sua principal guerrilha, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), e no qual também operam grupos de narcotraficantes, o cultivo da maconha representa um desafio em matéria de segurança.

"Apresentamos um plano onde o enfoque de segurança é realmente rigoroso, olhando os requerimentos da lei canadense, a lei norte-americana", disse Cock-Correa.

Além disso, "como floricultores estivemos por muitos anos atentas ao tema da contaminação com drogas e montamos um esquema de confiança confiável", acrescentou o empresário, que comercializará principalmente extratos de cannabis para o mercado interno e externo.

A Colômbia, principal produtor mundial de folha de coca e cocaína, segundo a ONU, também tem cultivos ilícitos de maconha com fins recreativos.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP