Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Fevereiro) Membros das Farc na entrada do local onde se reúnem os guerrilheiros na localidade de San José de Oriente, norte

(afp_tickers)

O Senado da Colômbia aprovou nesta segunda-feira a reforma constitucional que cria o sistema integral de verdade, justiça e reparação, que inclui tribunais especiais de crimes de guerra e é parte essencial do acordo de paz firmado com as Farc para superar meio século de conflito.

"#PlenariaSenado aprova no último debate a Jurisdição Especial para a Paz #JEP, que é a coluna vertebral do #AcuerdoDePaz", informou no Twitter o ministro do Interior, Juan Fernando Cristo, presente no Congresso no momento da votação.

A reforma foi aprovada por 60 votos contra dois, o que significa que "foi aprovado o título e que se converta em norma constitucional", anunciou o Senado, composto por 102 congressistas.

Entre os ausentes da votação estavam os integrantes do partido de direita Centro Democrático, do ex-presidente e atual senador Álvaro Uribe, contrários ao acordo com as Farc e que optaram por abandonar o plenário.

O senador Iván Duque, que falou em nome do Centro Democrático durante os debates, afirmou que "em nome da paz (...) se estava dando um golpe irreparável à ordem constitucional" e ao sistema judicial.

Após a votação, o ministro da Defesa, Luis Carlos Villegas, se dirigiu aos congressistas "para agradecer a aprovação deste ato legislativo, em nome das Forças Armadas da Colômbia", cujos membros poderão se amparar no sistema de justiça transicional por crimes cometidos durante o conflito.

A reforma instaura o Sistema Integral de Verdade, Justiça e Reparação que busca garantir "a conclusão do conflito armado e a construção de uma paz estável e duradoura", após o acordo firmado em novembro entre as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e o governo do presidente Juan Manuel Santos.

Para sua plena entrada em vigor, o ato legislativo - que já havia sido aprovado pela Câmara de Representantes - deverá superar uma revisão da Corte Constitucional e receber a sanção do presidente Santos, vencedor do Prêmio Nobel da Paz em 2016 por seus esforços para acabar com o conflito interno.

- Três mecanismos -

O sistema aprovado na segunda-feira é composto por três mecanismos: Comissão da Verdade, Unidade para a Busca de Pessoas Desaparecidas durante o Conflito e Jurisdição Especial para a Paz (JEP).

A Comissão para o Esclarecimento da Verdade, a Convivência e a Não Repetição será um órgão temporário, autônomo e de caráter extrajudicial, "que buscará conhecer a verdade do que aconteceu durante o conflito e contribuir para o esclarecimento das violações e infrações cometidas no mesmo", segundo o documento.

A Unidade para a Busca de Pessoas Desaparecidas terá caráter humanitário e extrajudicial para dirigir, coordenar e contribuir a implementar ações para localizar desaparecidos ou identificar e entregar os corpos das vítimas fatais.

A JEP administrará a justiça de maneira "transitória e autônoma" sobre as condutas cometidas antes de 1º de dezembro de 2016 "por causa, ocasião ou em relação direta ou indireta com o conflito armado" por guerrilheiros que firmaram o acordo de paz e abandonaram as armas, por agentes do Estado e por alguns civis.

A Colômbia chora 260 mil mortos, 60 mil desaparecidos e 6,9 milhões de deslocados em 52 anos de conflito envolvendo guerrilhas, paramilitares e agentes do Estado.

AFP