Navigation

Colômbia autoriza terceira dose de vacina anticovid para imunossuprimidos

(Arquivo) O ministro da Saúde da Colômbia, Fernando Ruiz, em coletiva de imprensa para anunciar o primeiro caso de covid-19 no país, em Bogotá, em 6 de março de 2020 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 20. agosto 2021 - 20:04
(AFP)

O Ministério da Saúde da Colômbia anunciou nesta sexta-feira (20) que vai oferecer uma terceira dose de reforço da vacina contra a covid-19 para pessoas imunossuprimidas por diversas patologias, que são mais vulneráveis ao coronavírus.

“A terceira dose será oferecida para pessoas com doenças diversas que geram ou levam à imunossupressão”, declarou o titular da pasta, Fernando Ruiz.

Pacientes com transplantes de coração, medula óssea e pulmão, em tratamento de quimioterapia para leucemia ou linfoma, com doenças autoimunes, entre outras patologias, podem pedir aos prestadores de serviços de saúde uma dose de reforço, acrescentou.

Estudos científicos indicam que os imunossuprimidos não desenvolvem anticorpos suficientes após receber o esquema básico de vacinação.

A Colômbia imunizou mais de 14 milhões de pessoas com as doses recomendadas pelos laboratórios Pfizer, AstraZeneca, Janssen, Moderna e Sinovac.

O país de 50 milhões de habitantes passou pela fase mais crítica da pandemia desde a detecção do primeiro contágio em março de 2020, embora o ministro tenha pedido para não baixar a guarda.

“Estamos reduzindo rapidamente o índice de contágio e a mortalidade (...) Este é um momento absolutamente crítico, é um vale, é uma trégua”, mas “a possibilidade de um quarto pico é uma possibilidade real”, alertou Ruiz.

O ministro chamou a atenção para a circulação da variante delta, altamente contagiosa, e anunciou que a partir de sábado, maiores de 15 anos poderão se vacinar.

A Colômbia registrou cerca de 124.000 mortes e 4,8 milhões de casos e é o terceiro país da América Latina e Caribe com o maior número de óbitos, atrás do Peru e do Brasil.

Outros países como Estados Unidos, Israel e Uruguai também autorizaram doses de reforço para pacientes imunossuprimidos.

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?