Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Papa Francisco

(afp_tickers)

"Demos el primer paso"( na tradução em português, "Demos o primeiro passo"), uma mistura de rap e vallenato pop será o hino que acompanhará a primeira visita do papa Francisco à Colômbia.

A melodia de quatro minutos foi selecionada nesta quarta-feira (02) pelos organizadores locais para representar a estadia de Francisco, um dos principais incentivadores do acordo de paz entre o governo e a guerrilha das FARC.

"A visita do Papa já possui uma música-tema. Músicos Católicos Unidos e sua canção 'Demos el primer paso' foram os ganhadores do #CántaleAlPapa", indicou o comitê anfitrião em sua conta no Twitter.

A música composta por Carlos Corvacho será interpretada pelo grupo Músicos Católicos Unidos da Colômbia, uma fraternidade religiosa criada em 2016 em Bogotá, e que venceu outras 464 submissões feitas até 31 de maio para o concurso "Cántale al papa".

"Nos traz luz, nos traz paz, nos traz palavras de verdade e nossos cidadãos saberão encontrar em Deus a liberdade", diz o refrão da música, na qual mais de vinte músicos participaram, incluindo sacerdotes e freiras.

O ritmo é ambientado por instrumentos típicos do vallenato como o acordeão, a caixa e a guacharaca, além de guitarras e tambores, e de um trecho em rap.

A música-tema foi eleita por um júri formado pelos cantores Fanny Lu, Maia, Héctor Tobo e Toby Tobías, e os padres Juan David Muriel e Juan Álvaro Zapata.

"A felicidade é completa e absoluta, principalmente porque vamos cantá-la ao representante de Cristo na Terra", disse à AFP Ana Bolívar, arranjadora e solista.

Durante a sua visita programada para o período de 6 a 11 de setembro, Francisco visitará Bogotá, Villavicencio, Medellín e Cartagena.

O pontífice viaja para apoiar a implementação do acordo que pôs fim a um conflito de meio século com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC).

O governo também negocia um acordo com o Exército e Libertação Nacional (ELN), último grupo rebelde em atividade no país.

AFP