Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O chanceler da Venezuela, Samuel Moncada

(afp_tickers)

México e Colômbia afirmaram nesta quarta-feira que o governo da Venezuela busca desviar a atenção sobre sua grave crise econômica e política divulgando "informação falsa", como a da suposta intervenção dos dois países em um plano para derrubar o presidente venezuelano, Nicolás Maduro.

"Os governos de México e de Colômbia fazem um enérgico apelo ao governo venezuelano para que se conduza com verdade, deixe de divulgar informação falsa e concentre seus esforços na busca de uma solução para a profunda crise democrática que enfrenta", destaca um comunicado conjunto divulgado pela chancelaria em Bogotá.

O texto rejeita as declarações do chanceler venezuelano, Samuel Moncada, que na segunda-feira afirmou que México e Colômbia estariam associados à Agencia Central de Inteligência americana (CIA) para derrubar o governo Maduro.

Os dois países reafirmaram sua rejeição às "infundadas acusações" de Moncada e lamentaram "que se recorra a este tipo de práticas para desviar a atenção da grave situação pela qual atravessa" a Venezuela.

Moncada publicou no Twitter supostas declarações do diretor da CIA, Mike Pompeo, em uma entrevista por ocasião do Fórum de Segurança de Aspen, em 20 de julho passado, na qual revelaria conversas com funcionários mexicanos e colombianos para "ajudá-los a entender as coisas que poderão fazer para obter um melhor resultado em sua parte do mundo".

Após a denúncia, Maduro exigiu que os governos de Estados Unidos, México e Colômbia prestassem esclarecimentos sobre o complô para derrubá-lo.

"Exijo do governo do presidente (Donald) Trump que esclareça as palavras insolentes e intervencionistas deste diretor da CIA, que acredita que governa o mundo".

AFP